Positivo começa a produzir gadgets na África com 90% da mão de obra de ruandeses

Por Redação | 15.07.2015 às 14:01
photo_camera BRUNO HYPOLITO / CANALTECH

A Positivo, com o grupo argentino BGH, inaugurou nesta semana uma fábrica própria em Ruanda, na capital Kigali, registrando a entrada da companhia no continente africano. Os primeiros equipamentos que sairão das linhas de produção fazem parte do acordo firmado com o Ministério da Educação de Ruanda para a contratação de um volume de 750 mil dispositivos, com um cronograma de entrega distribuído ao longo de cinco anos para atender aos alunos de ensino fundamental e médio.

"Enxergamos a África como um mercado muito interessante para ofertarmos tecnologia de qualidade a preços acessíveis. Nossa ideia é a transferência de conhecimento para a população, integrando-a nesta e em outras unidades que poderão ser construídas em um futuro próximo na África", comentou Hélio Bruck Rotenberg, presidente da Positivo no Brasil.

O incentivo ao desenvolvimento social e à educação são prioridades para o governo local, com engajamento do setor privado. O treinamento dos colaboradores iniciou em junho, com cerca de 90% da mão de obra de ruandeses. "A prioridade é atender ao cronograma do governo, mas estamos nos preparando para alcançar consumidores finais por meio de vendas diretas e do varejo. Também buscaremos ofertar mais dispositivos em Ruanda, como smartphones˜, complementou o executivo.