Para manter altas margens de lucro, Apple está barganhando com fornecedores

Por Redação | 07.07.2016 às 10:11

Em um mercado em que muitas empresas patinam com pequenas margens de lucro ou operam até mesmo em constante prejuízo, a Apple tem sido uma exceção há anos. Desde sua linha de notebooks até os famosos iPhones, a empresa goza de margens de lucros incrivelmente altas em seus produtos. Na verdade, é justamente por isso que a companhia detém nada menos que 94% dos lucros do mercado mundial de smartphones, apesar de as empresas concorrentes possuírem um volume muito maior de vendas. Para se ter noção da diferença, no acumulado de 2016, foram vendidos 231,5 milhões de aparelhos da Apple, enquanto a Samsung, sua maior concorrente no ramo, conseguiu vender incríveis 319,7 milhões de aparelhos.

Porém, o crescimento das vendas de telefones celulares não está mais a todo vapor como antes. Com esse novo cenário no mercado, um novo relatório do Digitimes afirma que a Apple está planejando algumas estratégias para manter essa alta margem de lucro em seus telefones vendidos, atuando de duas formas diferentes.

Por um lado, parece que a empresa de Cupertino está à procura de novos fornecedores de seus componentes que ofereçam preços mais em conta. Por outro, para aqueles fornecedores que não podem ser substituídos, a empresa está pechinchando uma redução nos preços. De acordo com responsáveis pela cadeia de suprimento de Cupertino, empresas de TI baseadas em Taiwan, como Largan Precision e Foxconn, fornecedores tradicionais da Apple, já foram afetadas por essa nova realidade.

Neste momento, é difícil dizer exatamente o que fez a Apple chegar a este ponto. Rumores indicam que o novo iPhone 7 não terá a entrada padrão de fones de ouvido, utilizada há anos no mercado de eletrônicos, e terá no mínimo 32 GB de armazenamento interno. Será que sua fabricação está saindo mais cara que a dos seus antecessores? Estaria a empresa prevendo a queda nas vendas do seu futuro lançamento? Ou, ainda, existe a possibilidade de a empresa querer aumentar mais ainda suas margens de lucro se utilizando da sua influência de mercado?

Ainda é cedo para afirmar alguma coisa, mas é mais uma razão para acreditar que o próximo iPhone 7 pode ser o mais interessante e, ao mesmo tempo, arriscado smartphone da Apple. Resta-nos esperar para ver como será a recepção do mercado ao novo smartphone e quanto ele custará em países como o Brasil, que tem o iPhone mais caro do mundo.

Via: BGR