Os limites em expansão da TI

Por Colaborador externo | 12.10.2016 às 14:20
photo_camera Divulgação

Por Kong Yang*

Estamos na nova era dos negócios, uma era mais global, interconectada e flexível do que nunca, graças a tecnologias e tendências como nuvem, SaaS e BYOD, entre outras. E não preciso dizer que tudo isso é possibilitado pela TI. Mas que impacto isso tem no papel do profissional de TI?

Em resumo, como você bem sabe, o escopo do papel do profissional de TI evoluiu expandindo-se além dos limites dos dispositivos de propriedade da empresa e da tecnologia no local. Em essência, como hoje o trabalho é realizado em todos os lugares, a TI está em todos os lugares.

Na verdade, novas pesquisas da SolarWinds demonstram a responsabilidade cada vez maior que está sendo colocada no profissional de TI moderno. Em geral, os resultados mostram como hoje, mais do que nunca, os usuários finais estão conectando dispositivos a redes corporativas (incluindo dispositivos de propriedade pessoal), confiando em aplicativos na nuvem e trabalhando fora de escritórios tradicionais. Todas essas tendências tomam o controle e a governança dos departamentos de TI; no entanto, as pesquisas também demonstram que as exigências sobre os profissionais de TI para oferecer suporte e garantir o desempenho dessas tecnologias são altas. O resultado é responsabilidade sem autoridade.

Com o Dia do Profissional de TI deste ano quase chegando (19 de outubro), esses resultados de pesquisa são particularmente oportunos, pois enfatizam a necessidade de maior valorização de vocês, profissionais de TI do mundo todo, e a função essencial que desempenham não só nos negócios modernos, mas nas vidas de quase todos os usuários finais de tecnologia.

Com isso em mente, vamos nos aprofundar no estudo, que consiste em duas pesquisas: a primeira se concentra nas perspectivas dos usuários finais relacionadas à evolução do cenário tecnológico dos negócios e o papel dos profissionais de TI nisso, enquanto a segunda se concentra no ponto de vista correspondente dos profissionais de TI. Veja os resultados principais:

Cada vez mais usuários finais no Brasil estão se conectando a um conjunto variado de dispositivos eletrônicos, incluindo aparelhos pessoais, a redes corporativas.

  • 57% dos usuários finais dos EUA diz que conecta mais dispositivos, sejam pessoais ou da empresa, a redes corporativas hoje do que há dez anos, uma média de quatro a mais por usuário.
  • 57% dos usuários finais diz que conecta mais dispositivos pessoais a redes corporativas hoje do que há dez anos, uma média de três a mais por usuário.
  • 80% dos usuários finais afirma que conecta um computador laptop/desktop a redes corporativas, 69% um smartphone e 29% um tablet.
  • 37% dos usuários finais conecta dispositivos eletrônicos menos comuns a redes corporativas, como altos-falantes Bluetooth, media players de streaming, tecnologias vestíveis e eReaders.

Cada vez mais, a tecnologia da qual os usuários finais dependem está fora da infraestrutura local de seus funcionários e inclui aplicativos baseados em nuvem e recursos de trabalho utilizados fora do escritório.

  • 60% dos profissionais de TI do mundo inteiro afirma que suas organizações permitem/facilitam o uso de aplicativos baseados em nuvem; 71% também estima que usuários finais utilizam, pelo menos ocasionalmente, aplicativos em nuvem não autorizados pela TI.
  • 82% dos usuários finais admite o uso desses aplicativos (tanto os autorizados quanto os não autorizados pela TI) no trabalho.
  • 77% dos usuários finais diz que costuma utilizar aplicativos relacionados ao trabalho fora do escritório, seja em dispositivos da empresa ou em aparelhos próprios.

Apesar do aumento do uso de tecnologias externas, os usuários finais ainda responsabilizam os profissionais de TI pelo desempenho delas.

  • 62% dos profissionais de TI afirma que a expectativa de dar suporte aos dispositivos pessoais dos usuários conectado a redes corporativas é muito maior do que há dez anos, enquanto 76% dos usuários finais espera que os profissionais de TI de seus empregadores garantam o desempenho desse tipo de dispositivo.
  • 43% dos profissionais de TI diz que os usuários esperam, ao mesmo tempo, a resolução de problemas entre a tecnologia e os dispositivos pessoais e da empresa.
  • 87% dos usuários finais espera que os profissionais de TI de seus empregadores garantam o desempenho de aplicativos baseados em nuvem usados no trabalho, e 56% alega que, quando esses aplicativos não funcionam conforme o esperado, a culpa é dos profissionais de TI.
  • 64% dos profissionais de TI diz que os usuários esperam, ao mesmo tempo, a resolução de problemas com aplicativos baseados em nuvem e aplicativos locais (aqueles gerenciados diretamente pela TI).
  • 72% dos usuários finais espera que os aplicativos de trabalho usados fora do escritório funcionem no mesmo nível e recebam o mesmo tipo de suporte dos profissionais de TI de seus empregadores, enquanto 83% dos profissionais de TI diz que fornece tal suporte pelo menos ocasionalmente.

Para encerrar, as empresas estão mais do que nunca rompendo as barreiras da TI tradicional além dos limites das organizações. A TI está em todos os lugares e, como resultado, a expectativa é que vocês garantam disponibilidade contínua e otimizem o desempenho de todos os dispositivos e aplicativos, muitos dos quais vocês não controlam. Todos os setores já sentiram o impacto de uma dependência maior na tecnologia, mas nenhum deles como o próprio setor de TI.

Portanto, em nome da SolarWinds, obrigado.

E caso você seja um líder de negócios ou outro usuário final de tecnologia, não se esqueça de demonstrar pessoalmente a sua gratidão aos profissionais de TI de sua confiança.

*Kong Yang é gerente técnico da SolarWinds.