Os 40 anos da Microsoft e a constante mudança no mercado de tecnologia

Por Redação | 07.04.2015 às 07:42
photo_camera Divulgação

A Microsoft foi uma das pioneiras no mercado de computação pessoal e no último final de semana a empresa de Redmond comemorou o seu 40º aniversário. Gostando ou não da companhia, ninguém pode negar que ela é uma das mais importantes do mercado e que mudou radicalmente a indústria.

Em sua trajetória, a Microsoft teve grande destaque nos anos 1980, se consagrou uma grande potência na década de 1990, mas nos últimos anos têm enfrentado grandes desafios.

Bill Gates, um dos fundadores da empresa, enviou uma carta aos funcionários para celebrar os 40 anos e, além de relembrar os bons momentos do passado, também destacou que é preciso olhar para frente. "Nós realizamos muitas coisas juntos durante os nossos primeiros 40 anos e capacitamos inúmeras empresas e pessoas a realizar seu pleno potencial. Mas o que mais importa agora é o que fazer a seguir".

Esse foco no futuro pode ser realmente decisivo para a Microsoft, uma vez que a última década não foi nada fácil – com os cinco últimos anos sendo particularmente mais desafiadores, pois a empresa viu seu valor de mercado e mindshare serem ultrapassados por nomes como Apple e Google.

Muito já foi dito a respeito dos erros estratégicos da Microsoft durante os últimos anos, mas um dos mais notáveis se aplica às áreas de smartphones e tablets. A empresa era muito prematura, e por isso não conseguiu lançar um produto tão moderno para o consumidor final na hora certa.

Para esclarecer este cenário – que pode soar um pouco estranho – vamos relembrar outra tecnologia que fez aniversário na última semana: o iPad. Há cinco anos, no dia 3 de abril de 2010, a Apple lançou a primeira versão do seu tablet que viria para revolucionar o mercado e se tornar um sucesso; mesmo após uma série de empresas (incluindo a Microsoft) ter tentado e falhado nesse segmento.

E como a empresa da Maçã conseguiu alcançar tamanho sucesso? Basicamente, a Apple teve uma vantagem de dois anos sobre a concorrência. Dizemos isso, pois a real competição no mercado de tablets se consolidou apenas em 2012, dois anos após o lançamento do iPad, com empresas como Samsung, Amazon e LG acirrando a concorrência com diversos modelos.

As primeiras tentativas reais da Microsoft para afrontar o iPad vieram na forma do Surface e Surface 2. Não precisamos relembrar que nenhum dos dois foi um sucesso e que apenas em 2014 ela emplacou o Surface Pro 3, um tablet realmente viável. Lembrando que o Surface Pro 3 visa atingir potenciais usuários do MacBook Air e não do iPad.

Tablet PC

Bill Gates e o Tablet PC: previsão correta, aplicação errada

Bill Gates e a Microsoft tiveram visões de tablets no início dos anos 2000, mas a implementação e o hardware sempre deixaram a desejar. Os planos da empresa para o mercado de tablets em 2010 – antes do lançamento do iPad – eram basicamente adicionar uma tela de toque capacitiva para o Windows. Na prática, o chamado Tablet PC mostrou-se caro e as adaptações promovidas pela Microsoft no Windows não funcionaram muito bem.

O Google também saiu perdendo no mercado de tablets, uma vez que a primeira versão do Android otimizada para esse tipo de dispositivo sequer foi lançada publicamente antes de 2011. Porém, no quesito smartphones, o Google não tem do que reclamar, afinal a empresa tinha um sistema operacional móvel moderno e pronto para colocar em dispositivos de menor potência. Já a Microsoft estava atrasada em meados de 2010, tentando reiniciar seus esforços móveis com o Windows Phone 7.

Inicialmente, a empresa apostou suas fichas no Windows Mobile, que nasceu para dominar o mercado de smartphones nos anos 2000. No início, o sistema obteve um relativo sucesso e chegou a dominar cerca de 47% do mercado em 2007, quando a Apple anunciou o iPhone. De 2007 para 2011 a participação de mercado do sistema móvel da Microsoft despencou de 47% para 3%.

Moral da história

Quando a Microsoft foi fundada, há 40 anos, os computadores eram mainframes e ferramentas utilizadas apenas em grandes corporações e universidades. A Microsoft foi eficiente e inteligente o suficiente para enxergar a revolução do PC e ajudá-la a se tornar gigante. Nos primeiros 20 anos de vida, ela conseguiu ser a maior empresa de tecnologia do planeta.

Porém, nos 20 anos seguintes, a tecnologia mudou drasticamente várias vezes. Primeiro para a web e, em seguida, para os smartphones e tablets. Pelo andar da carruagem, a próxima grande mudança significativa na indústria pode ser a realidade virtual. E quem está saindo na frente? Difícil dizer. Mas enquanto gigantes como Google, Samsung, Sony e Facebook estão investindo no setor, a Microsoft, atualmente liderada por Satya Nadella, anunciou o HoloLens, uma das mais avançadas plataformas de computação holográfica do mundo.

HoloLens

Se pensarmos apenas nas mudanças que surgiram nos últimos cinco anos, o mundo da tecnologia já viu muitas novidades. Empresas e plataformas como Instagram, Snapchat, Pinterest, Uber, Airbnb e até mesmo a gigante chinesa Xiaomi, sequer existiam no lançamento do primeiro iPad. Agora, todas elas estão avaliadas em mais de US$ 1 bilhão cada.

Você consegue imaginar como será o cenário da indústria de tecnologia nos próximos cinco anos e em que posição as empresas citadas acima estarão?

Fonte: Mashable