O futuro da educação

Por Denis Del Bianco | 08 de Maio de 2015 às 17h53
photo_camera Blog Oráculo da Tecnologia

Nos próximos anos, iremos experimentar o ensino de uma maneira completamente diferente. Digo isso por conta do avanço da tecnologia, que deverá transformar a forma com que as instituições de ensino se relacionam com seus alunos, desde a Educação Infantil até o Ensino Superior. Neste artigo, focarei na aplicação da tecnologia disruptiva nas universidades, que deverá simplificar o relacionamento dessas organizações com seus públicos, contribuindo para uma oferta de cursos mais adequados à nova geração.

Atualmente, o processo de escolha de uma instituição de Ensino Superior e de um curso depende exclusivamente dos estudantes. Porém, com a adoção de ferramentas do universo digital, as organizações podem aprimorar a captação de alunos e ajudá-los a escolher o curso mais adequado. Esse é o primeiro passo para um acompanhamento assertivo do ciclo de vida do aluno.

Há alguns anos, as instituições se preocupavam apenas em atrair alunos. Hoje, tão importante quanto a prospecção, é atendê-los da forma adequada para evitar a evasão – um dos principais desafios do setor. Dispositivos móveis, plataformas colaborativas, soluções de analytics e de automação de processos podem apoiar as instituições de ensino no gerenciamento de cada uma das etapas do ciclo de vida do aluno (captação, ingresso, curso e pós-formação).

Se considerarmos que um aluno típico das instituições de Ensino Superior, nos próximos cinco anos, pertence à geração que já nasceu conectada, o uso de ferramentas de big data e analytics serão imprescindíveis para analisar as informações disponíveis em suas redes sociais, e identificar, com precisão, o perfil de cada um. Com esses dados, as escolas poderão direcionar melhor as ações de captação de alunos, proporcionando uma aproximação com os estudantes antes mesmo de eles a procurarem. Essa comunicação segmentada poderá, ainda, orientar prospects sobre o curso mais adequado com base em seu perfil e interesses, resultando em uma atração de estudantes mais assertiva.

No processo de ingresso, por exemplo, o aluno poderá escolher, por meio de tecnologias e de forma ágil e flexível, as matérias e a unidade em que deseja realizar o curso, bem como o horário e a modalidade – presencial ou à distância – sem necessidade de deslocamento e entrega presencial de documentos. Por outro lado, a tecnologia permitirá à instituição sugerir disciplinas, turmas, locais e modalidades extras para incrementar a experiência do estudante.

Durante o curso, a confirmação de presença em sala de aula, por meio de celulares ou biometria, alimentará uma base de dados sobre o comportamento do estudante. A instituição poderá oferecer aulas de reforço para aqueles que apresentarem desempenho abaixo do esperado ou um link de acesso ao conteúdo ministrado em sala para os que faltaram.

Além disso, a adoção de material didático digitalizado e atividades online contribuirão para um engajamento maior dos alunos, tornando o ambiente mais colaborativo. Os livros e apostilas serão comercializados por meio de lojas de aplicativos, como Apple Store e Google Play, e, por serem digitalizados, permitirão ao aluno sinalizar os trechos em que teve dificuldade e compartilhar a informação com os colegas ou com a instituição para revisão e reforço do tema.

Com um sistema adaptativo de aprendizado será possível aprimorar as aulas, uma vez que a ferramenta tem capacidade de identificar o método de aprendizado mais efetivo para cada aluno, tanto em cursos à distância (EAD), como presencial.

Já com a prática de game based learning, que confere pontos aos estudantes que completam os exercícios extras e avaliações digitais (provas e simulados), será possível obter estatísticas para que os alunos avaliem o seu desempenho em relação aos demais, incentivando o engajamento e a troca de experiências entre eles.

As tecnologias também permitem o estabelecimento de um relacionamento mais próximo com os egressos ao possibilitar o desenvolvimento de campanhas sobre os novos cursos com base no perfil e evolução profissional deles, incentivando o retorno à instituição.

Em um futuro próximo, a adoção de ferramentas de produtividade digital permitirá uma melhor avaliação do aluno, do professor, das disciplinas e até mesmo do curso. As tecnologias possibilitarão às instituições de Ensino Superior extrair inteligência dos dados e, com isso, ser mais assertiva na forma de transmitir o conteúdo, oferecendo uma melhor experiência de ensino aos estudantes. Além disso, as mudanças impulsionarão um relacionamento mais próximo com os alunos e um melhor acompanhamento de todas as etapas do ciclo de vida estudantil.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.