Novos executivos querem retorno da Nokia do passado

Por Redação | 15.08.2016 às 19:45

No que depender de Pekka Rantala, o recém-apontado diretor de marketing da Nokia, a empresa finlandesa está prestes a voltar aos velhos tempos em que ainda era uma das principais fabricantes de celulares do mundo. Em uma das primeiras declarações desde que assumiu o cargo, o executivo afirmou amar a companhia e ser apaixonado pela ideia de um grande retorno ao passado.

Não será uma tarefa fácil, entretanto. Líder mesmo durante os primeiros anos dos smartphones, a Nokia começou a perder grandes margens de mercado devido à sua dificuldade de se alinhar a outras propostas com os sistemas Android e iOS. A parceria com a Microsoft para fabricação de aparelhos com Windows Phone, para muitos especialistas, foi a gota d'água em uma série de apostas erradas devido à baixa penetração da plataforma, o que resultou em baixas vendas e um processo de compra desastrado.

Agora livre novamente, a Nokia prepara seu ressurgimento com um smartphone próprio com Android, mas ainda não revelado. É a principal proposta de reinvenção e retorno da empresa ao mundo móvel. Alguns rumores chegam a apostar no lançamento de uma dupla de aparelhos pela empresa, de forma a atingir mercados de médio e alto padrão.

Além disso, a companhia trabalha junto a parceiros em um processo inusitado de licenciamento. Uma companhia chamada HMD, formada por executivos e funcionários tanto da fabricante finlandesa quanto da Microsoft, vai criar dispositivos que terão a “marca” Nokia, fabricados e distribuídos pela Foxconn. Na troca pela marca reconhecida, a companhia recebe o pagamento de royalties, em uma estratégia que ajuda a si mesmo tanto quanto aos outros.

Ao lado de Rantala nesta empreitada, inclusive, está outro ex-funcionário com anos de Nokia na bagagem. Arto Nummela é o presidente da HMD e também um dos grandes nomes associados ao ressurgimento da companhia na onda do sistema operacional Android. Antes de assumir a nova operação, o executivo foi gerente do setor de feature phones da Microsoft — também uma herança da Nokia e a partir da qual a nova fabricante se formou.

Rantala passou por diversas divisões e assentos na Nokia entre 1994 e 2011, começando como responsável pelos negócios da empresa na África, Portugal e Israel, passando por diretor regional e vice-presidente sênior de marketing, posição à qual ele retorna agora. Mesmo deixando a empresa, ele permaneceu no mundo mobile e, de junho de 2014 a dezembro de 2015, foi CEO da Rovio, criadora de Angry Birds.

Fonte: Android Authority