Novo medicamento pode aliviar sintomas da depressão em até 24 horas

Por Redação | 17.07.2015 às 10:14

Pesquisadores da Escola de Medicina da Universidade de Maryland identificaram novos compostos que podem tratar com sucesso a depressão em menos de 24 horas e ainda minimizar os efeitos colaterais do medicamento. A pesquisa foi liderada por Scott Thompson, PhD, professor e presidente do Departamento de Fisiologia da Universidade de Maryland.

A novidade ainda não chegou à fase de testes em humanos, mas os pesquisadores acreditam que os compostos podem oferecer vantagens significativas em relação aos antidepressivos usados nos tratamentos atuais. "Nossos resultados abrem uma nova classe de potenciais medicamentos antidepressivos", disse o Dr. Thompson. "Temos provas de que esses compostos podem aliviar os sintomas devastadores da depressão em menos de um dia e eles ainda podem fazê-lo de uma forma que limite as desvantagens presentes nas atuais abordagens", completou.

Atualmente, a maioria das pessoas com depressão toma medicamentos que aumentam os níveis de serotonina no cérebro. Medicamentos mais comuns nesse tipo de tratamento, como o Prozac e Lexapro, são Inibidores Específicos da Recaptação da Serotonina (ISRS), porém os ISRS são eficazes em apenas um terço dos pacientes com depressão. Além disso, mesmo quando essas drogas funcionam, elas normalmente levam entre três e oito semanas para aliviar os sintomas.

Como resultado, os pacientes muitas vezes sofrem por meses antes de encontrar um medicamento que faça com que eles se sintam melhores. Isso não é apenas emocionalmente doloroso; no caso de pacientes com tendências suicidas, por exemplo, esse período pode ser mortal.

A pesquisa da equipe do Dr. Thompson está focada em outro neurotransmissor além da serotonina, um composto inibidor chamado GABA (ácido gama-aminobutírico), que é o principal neurotransmissor inibitório do cérebro. A atividade cerebral é determinada por uma comunicação balanceada entre sinapses excitatórias e inibitórias. De acordo com os pesquisadores, na depressão as mensagens excitatórias não são fortes o suficiente em algumas regiões do cérebro.

Como não há nenhuma maneira segura de fortalecer diretamente a comunicação excitatória, eles examinaram uma classe de compostos que reduzem as mensagens inibidoras enviadas via GABA. Os compostos, denominados por GABA-NAMs, minimizam os efeitos colaterais indesejáveis porque são precisos: eles funcionam apenas nas partes do cérebro que são essenciais para o humor.

Os novos compostos já foram testados em ratos de laboratório, que foram submetidos a estresse crônico leve, fazendo com que os animais agissem de maneiras que se assemelham com a depressão humana. Os ratinhos estressados que receberam GABA-NAMs reverteram com sucesso os sinais de sintomas chave para a depressão e a incapacidade de sentir prazer dentro de 24 horas.

"Agora, será extremamente empolgante descobrir se os compostos produzem efeitos semelhantes em pacientes deprimidos. Se eles podem fornecer alívio rápido aos sintomas da depressão humana, tais como pensamentos suicidas, isso poderia revolucionar a forma como os pacientes são tratados", explicou o Dt. Thompson.