Novo app do ResearchKit, da Apple, quer pedir aos usuários uma amostra de DNA

Por Redação | 06.05.2015 às 12:03

A Apple está colaborando com os desenvolvedores de um novo aplicativo para iPhone baseado no recém-lançado ResearchKit. O app permitirá que as pessoas se submetam a testes de DNA, em alguns casos pela primeira vez, para análises científicas e de pesquisas.

O ResearchKit é uma plataforma da Apple que permite coletar dados importantes de pacientes com a ajuda de um iPhone. Com isso, médicos poderão expandir suas enquetes coletando uma maior quantidade de dados, o que resulta em uma maior precisão e exatidão.

No caso do teste de DNA, os participantes serão convidados a fornecer amostras, como a saliva, para as organizações acadêmicas responsáveis pela pesquisa. Esses dados então serão mantidos por cientistas em um banco de dados na nuvem, mas alguns resultados também poderão ser exibidos nos iPhones dos participantes.

Um dos estudos está sendo conduzido pelo centro de sequenciamento de genes na Universidade da Califórnia (UCSF), em São Francisco. Nesse caso, profissionais irão examinar as causas do nascimento prematuro, avaliando fatores genéticos e outros dados gravados em iPhones de mulheres grávidas.

Outro estudo também acontece no Hospital Mount Sinai, em Nova York. Interessados em participar dos projetos irão enviar suas amostras de DNA para os laboratórios das duas instituições. Em vez de sequenciar genomas inteiros, os laboratórios vão concentrar-se em genes ligados a doenças, o que deve reduzir o custo dos testes.

Uma fonte familiarizada com o assunto disse que a Apple está esperançosa em permitir que as pessoas compartilhem seu DNA com outros participantes, incluindo organizações que trabalham em diferentes tipos de pesquisas.

Supostamente, a empresa da Maçã quer que os aplicativos fiquem prontos a tempo para a Worldwide Developers Conference (WWDC), que começa no dia 8 de junho, mas outra fonte disse que os estudos de aplicativos relacionados ao DNA podem ser cancelados a qualquer momento.

Anunciado pela primeira vez em março de 2015, a plataforma ResearchKit tem atraído cada vez mais interessados. Depois de pouco mais de 24 horas do seu anúncio inicial, mais de 10 mil pessoas já haviam se inscrito para participar de uma pesquisa da Universidade de Stanford relacionada a estudos cardiovasculares.

Para os interessados em participar da pesquisa, o aplicativo vai pedir permissão para acessar os sensores do iPhone, como acelerômetro, giroscópio, entre outras ferramentas. Quem quiser, ainda pode colaborar com detalhes referentes ao peso, pressão arterial e níveis de glicose.

Com informações do Apple Inside