Nova solução hospeda contas correntes em nuvem AWS

Publieditorial | 17.06.2015 às 18:19
photo_camera Divulgação

Se há alguns anos o termo "computação em nuvem" causava terror em qualquer instituição financeira, hoje as soluções de cloud começam a despertar um interesse cada vez maior no setor conforme a busca por ganhos de agilidade e otimização de processos avança.

E o crescimento do interesse pela nuvem é uma das apostas da empresa de soluções para o setor financeiro Matera Systems, que apresentou durante a feira de tecnologia Ciab Febraban uma nova solução para contas correntes em nuvem baseada em AWS (Amazon Web Services) que é capaz de realizar até 6 mil transações financeiras por segundo.

"O medo [da nuvem] está acabando", opinou o CEO, Carlos Augusto. "Tudo é desinformação, educação, adaptação. Tecnicamente não tem problema. Mais e mais executivos de TI de bancos estão começando a entender o que é isso e ver vantagens".

Matera

Para o CEO da Matera, companhias financeiras buscam nuvem para habilitar novos projetos de inovação (foto: Divulgação)

De acordo com o CEO, o foco principal da solução é em bancos de varejo e instituições que lidam com volumes de dinheiro, como meios de pagamento. Hoje a solução está implementada em cerca de 90 instituições financeiras.

A escalabilidade do sitema é o que tem sido a principal preocupação de empresas que mostram interesse na solução da companhia. "A gente está vendo muito clientes vindo com ideias diferentes para pagar contas, receber contas, relacionamento. E com essa inovação, eles buscam um alicerce", afirma. "Esse é um alicerce que guarda o dinheiro, credita, debita e dá um extrato. E lá na ponta o cliente pode ser criativo, inventar coisas diferentes".

Com a regulamentação de meios e arranjos de pagamento pelo Banco Central, confirmada no ano passado, a Matera espera um novo crescimento da solução para empresas do setor. Hoje um dos princiapis clientes da empresa é do setor de meios de pagamento, com uma expectativa de processar até 80 milhões de contas. Até o final do ano, a expectativa é de incluir até 10 novos clientes "grandes" no portfólio — clientes com movimentações de até 500 milhões de reais em transações por ano.