Netflix está negociando entrada no mercado chinês

Por Redação | 15 de Maio de 2015 às 11h25

O serviço de streaming Netflix está negociando com uma empresa de mídia chinesa financiada pelo bilionário Jack Ma, o CEO do Alibaba, e com outros potenciais parceiros sua entrada no mercado chinês de vídeos online.

O rumor surgiu de fontes familiarizadas com o assunto e foi noticiado nesta sexta-feira (15) pela Bloomberg. Ao que tudo indica, as negociações são privadas e a ideia da Netflix é se tornar uma empresa "praticamente global até o final de 2016", conforme afirmou um porta-voz da empresa quando questionado sobre uma possível parceria com a China.

Devido ao extremo controle do governo chinês sobre o licenciamento de conteúdo online, uma parceria local seria essencial para a Netflix atingir seus objetivos. A empresa está em busca de um parceiro que tenha licenças para conteúdos em todos os dispositivos – incluindo smartphones, computadores e set-top boxes.

Um dos principais nomes citados até o momento é o da Wasu Media Holding, que no ano passado recebeu 6,54 bilhões de iuanes (cerca de R$ 2,34 bilhões) do fundador do Alibaba Group, Jack Ma, e outros parceiros por uma fatia de 20% do grupo.

A Wasu já possui licenças da Administração Estatal de Imprensa, Publicação, Rádio, Cinema e Televisão da China. Analistas acreditam que a expansão da Netflix para a China pode triplicar a receita do mercado de vídeos online na região, atingindo a marca de 90 bilhões de iuanes em 2018.

Desde abril deste ano, novos episódios de programas estrangeiros – incluindo "Mad Men" e "Os Simpsons"– não podem ser exibidos até que a temporada tenha sido finalizada. Isso acontece porque todos os episódios precisam ser entregues para aprovação do governo e conteúdos considerados violentos, sexuais, ou ofensivos ao Partido Comunista podem ser cortados.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.