Não tem mais volta: Samsung decreta a morte do Galaxy Note7

Por Redação | 11.10.2016 às 09:03 - atualizado em 11.10.2016 às 09:39

Não foi preciso esperar até a próxima terça-feira, dia 18, para a Samsung anunciar o fim definitivo do Galaxy Note 7. Na manhã desta terça-feira (11), um porta-voz da fabricante sul-coreana confirmou ao Wall Street Journal que a empresa "matou" o phablet explosivo de uma vez por todas.

Ontem, a fabricante anunciou que estava suspendendo por tempo indeterminado a produção do aparelho depois de vários relatos de unidades "seguras" estarem apresentando problemas de superaquecimento e pegando fogo. Às lojas e operadoras, a orientação foi de suspender as vendas do Note7; aos usuários, que deixassem de usar o dispositivo.

Nas primeiras horas de hoje, analistas projetaram um rombo da ordem de US$ 17 bilhões caso a Samsung encerrasse em definitivo a produção e venda do smartphone, o que foi confirmado agora há pouco pelo porta-voz da fabricante.

"Podemos confirmar os rumores de que a Samsung encerrou, em caráter definitivo, a produção do Galaxy Note7", disse ao TechCrunch.

Ontem, o mercado financeiro reagiu mal à possibilidade do encerramento da produção do phablet e as ações da Samsung fecharam em queda de 8%, representando uma desvalorização de US$ 19 bilhões em apenas um único dia. Com a confirmação da morte do aparelho nesta terça, a expectativa é que a companhia opere em queda livre quando a Bolsa de Valores abrir suas portas.

Trajetória desastrosa

Lançado em agosto deste ano, o Galaxy Note7 deveria ser o carro-chefe da Samsung neste segundo semestre do ano e fazer frente ao seu principal concorrente, o iPhone 7, da Apple. Pouco tempo depois de chegar às prateleiras, surgiram centenas de relatos de que o aparelho estava superaquecendo e explodindo. Carros pegaram fogo devido à explosão do aparelho e até mesmo crianças se feriram depois de o gadget estourar em suas mãos.

Tais queixas forçaram a companhia a anunciar o recall de 2,5 milhões de unidades do phablet ainda no início de setembro após ser detectado que a origem dos problemas era a bateria do aparelho. Nos países em que foi lançado, os Note7 defeituosos foram substituídos por novas unidades consideradas "seguras". Como tudo estava indo muito bem, a Samsung chegou até mesmo a reiniciar as vendas do gadget na Coreia do Sul e nos Estados Unidos.

Entretanto, a felicidade durou pouquíssimo tempo e novos relatos surgiram indicando que as unidades pós-recall também apresentavam problemas e estavam explodindo. Inicialmente, a companhia alegou que se tratavam de "casos isolados". Todavia, o relato de que um Note7 queimou a bordo de um voo da Southwest Airlines, nos Estados Unidos, confirmou as suspeitas de que ainda havia algo errado e levou a sul-coreana a suspender a fabricação e as vendas do Note7 por tempo indeterminado nesta segunda-feira, dia 10.

A confirmação de hoje de que o Galaxy Note7 está oficialmente enterrado põe fim a uma das trajetórias mais desastrosas que se tem notícia na indústria tech. Acendam as velas não só para o Note7, mas também para toda a linha Note, que pode nunca mais ver a luz do sol.

Via Wall Street Journal, TechCrunch