Mudança nas telas do Apple Watch e iPhone preocupam Samsung

Por Redação | 26.04.2017 às 11:45

Uma potencial mudança na tecnologia de telas nas próximas gerações do iPhone e do Apple Watch estaria sendo uma pedra no sapato da Samsung e outras empresas asiáticas. Rivais no mercado de smartphone, as companhias trabalham juntas na produção de componentes para os dispositivos da Maçã, mas tudo pode mudar nos próximos anos com a introdução das telas micro-LED e outras tecnologias diferentes de processamento.

Os novos displays, com maior eficiência energética e resolução, estão sempre presentes nos relatos que circundam a terceira geração de relógios inteligentes da Apple. De acordo com novos rumores, a empresa de Cupertino começaria ainda neste ano a fabricar as telas para a próxima geração do Watch, usando as estruturas da LuxVue, uma fabricante comprada em 2014 para isso.

Com isso, a expectativa é de que a Apple rompa seu contrato com a Samsung, que atualmente fabrica os painéis OLED utilizados em todos os dispositivos da marca norte-americana. A noção é de que, com o começo da fabricação e a utilização no Watch, não deve demorar para que os processos de fabricação evoluam para tornar mais rápidas e baratas a utilização do micro-LED também no iPhone, hoje um dos principais produtos a utilizar os displays da empresa sul-coreana. O resultado teria bastante impacto sobre as contas da asiática.

Não ajuda, ainda, o fato de que a Apple detém as patentes da tecnologia micro-LED, o que pode dificultar ainda mais a vida de fabricantes de smartphones e tecnologias vestíveis caso os displays realmente se tornem padrão. Se isso ocorrer, as interessadas podem se ver obrigadas a pagar royalties caso queiram produzir os componentes, ou então contratar a LuxVue para isso.

Ainda, a Apple estaria bem contente em ser a dona da infraestrutura necessária para produzir componentes e estaria planejando ir além, trazendo para si a fabricação de câmeras e memórias RAM. Os boatos apontam para uma potencial compra do setor de fabricação de chips da Toshiba, outra alternativa que deve afetar diretamente os negócios da Samsung e também da LG.

Os rumores apontam para o grande reflexo das mudanças nas contas das parceiras de fabricação, mas também chamam a atenção para o impacto na economia da Coreia do Sul como um todo. Com a potencial transferência das atividades de fabricação para a China, bilhões de dólares podem deixar de circular na indústria coreana, algo que deve trazer reduções até mesmo na prosperidade do país.

Fonte: Business Korea