Microsoft será a maior fornecedora de serviços na nuvem, segundo Morgan Stanley

Por Redação | 05 de Julho de 2016 às 15h00

Uma nova pesquisa internacional realizada pela Morgan Stanley com 100 CIO´s, 75 dos Estados Unidos e 25 da Europa, traz boas notícias para empresas voltadas para serviços nas nuvens, especialmente a Microsoft. De acordo com a pesquisa, a Azure, plataforma de nuvem pública da Microsoft, vai ultrapassar a Amazon Web Services (AWS), atual líder do mercado, em 2019, tanto em Infraestrutura como Serviço (IaaS) quanto em Plataforma como Serviço (PaaS).

Até lá, cerca de 30% dos CIOs estarão utilizando Azure para IaaS contra 30% da AWS. Hoje em dia, esses percentuais são de 21% para AWS e 12% para Azure. Embora quase 55% dos gerentes tenham declarado que usam a infraestrutura pública hoje em dia, até lá esse numero será reduzido a 10%.

pesquisa Morgan Stanley

Gráfico mostra os valores de hoje e da previsão em 2019

Segundo a pesquisa, a Azure já está liderando quando se fala em PaaS, utilizada por 18% dos participantes, contra 16% da AWS. Essa liderança continuará até 2019 com crescimento de 9,8% contra 6,4% do seu rival.

As perspectivas de crescimento em gastos com Software como Serviço (SaaS) também são altas, prevendo-se um crescimento gradual até o ano final da pesquisa, tendo como foco principal aplicações de marketing de clientes como Adobe, HubSpot e Salesforce.

Como era de se esperar, vendedores da hardware continuarão a sofrer vendo seu mercado ser engolido pelos serviços na nuvem. O crescimento nos gastos com esses equipamentos diminuiu 3,2% esse ano, tendo os grandes players do mercado, como HP e NetApp, enfrentado as maiores ameaças. A IBM pode ser considerada uma exceção nesse cenário, já que seus investimentos em cloud computing estão dando bons resultados, incluindo a rápida aceitação da sua avançada ferramenta de inteligência artificial Watson, que com um ano de idade, já é utilizada por 5% dos CIO´s e previsto para ser usada por mais 15%.

Outros grandes participantes do mercado de hardware, como Oracle, EMC, Dell, VMWare e Cisco, preveem uma queda na participação de mercado de 9% a 17%. Para piorar a situação, a pesquisa ainda revela que em casos de crise, os serviços de Business Intelligence (BI), análise de negócios, segurança e computação na nuvem, seriam os últimos a serem cortados, enquanto os gastos com equipamentos de armazenamento e rede seriam os primeiros da lista.

Via: Geekwire

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.