Microsoft descartou projeto semelhante ao Google Earth

Por Redação | 16.11.2015 às 16:54

Em mais um caso daqueles nos quais muitos executivos devem ter dores de cabeça até hoje, a Microsoft pode ter deixado escapar por entre seus dedos uma tecnologia que, mais tarde, ganhou literalmente o mundo com o nome de Google Earth. Estamos falando do TerraServer, um projeto lançado pela companhia em 1997 que servia como uma demonstração de tecnologias como o .NET e os servidores com bancos de dados pesquisáveis, baseados em SQL.

O objetivo, de acordo com o desenvolvedor Tom Barclay, era ousado: criar o maior banco de dados da história. Para fazer isso, a Microsoft precisava de um gigantesco fluxo de informações e se voltou para as transações da Bolsa de Valores de Nova York, com o intuito de torná-las pesquisáveis ao longo de toda a história. Esse desafio, por incrível que pareça, acabou se tornando pequeno demais e a companhia voltou seus olhos para todo o mundo.

Usando imagens cedidas pelo Centro de Pesquisas Geológicas dos Estados Unidos, a Microsoft utilizou uma tecnologia que chamou de mosaico. As imagens obtidas pelo satélite eram recortadas e, quando o usuário fazia uma busca, eram montadas de acordo com o resultado, o que acabava resultando em um menor tamanho de armazenamento e maior agilidade nas pesquisas. O sistema é o mesmo que é utilizado hoje pelo Google.

A empreitada fez sucesso e Barcley conta que, apenas no primeiro ano de funcionamento, foram mais de 20 mil mensagens de usuários, sendo que a maioria deles adorava procurar suas casas no serviço. O total pode parecer pouco, mas para 1997, ou seja, nos primórdios da internet, 20 mil usuários era um número a se considerar.

O TerraServer, porém, acabou caindo por terra por ser, justamente, apenas uma demonstração. O desenvolvedor explica que a Microsoft não estava interessada no conteúdo da plataforma nem em incrementá-la, mas apenas mostrar o potencial da tecnologia que vinha desenvolvendo. Uma escolha que, no final, acabou fazendo com que ela não “inventasse” o Google Earth quatro anos antes da concorrência.

Fonte: Motherboard