Microsoft consegue armazenar um videoclipe e cem livros em DNA

Por Redação | 07.07.2016 às 22:40

As pesquisas para o armazenamento de dados em fitas de DNA têm avançado constantemente, e a Microsoft está levando o trabalho realmente a sério. De acordo com informações divulgadas nesta quinta-feira (7), a gigante da tecnologia, em parceria com a Universidade de Washington, conseguiu guardar 200 MB de informações nas moléculas sintéticas.

Para testar a capacidade da tecnologia, que promete ser o futuro dos atuais métodos de armazeamento, os pesquisadores guardaram o videoclipe da banda OK Go “This Too Shall Pass” em HD, e os cem livros mais populares do Projeto Guttenberg – tudo isso em um espaço menor que a ponta de um lápis. A expectativa é de que os dados permaneçam intactos por mais de mil anos.

Os pesquisadores acreditam que a natureza incrivelmente compacta e a durabilidade das moléculas de DNA poderão resolver muitos dos problemas de longo prazo no que se refere ao armazenamento de dados do mundo. Mas para entender como os cientistas fundiram os dados digitais com a biologia, é necessário saber um pouco sobre o ácido desoxirribonucléico.

Cada cadeia de DNA é constituída por um padrão repetido de quatro bases químicas: adenina (A), citosina (C), guanina (G) e timina (T). Assim, para tornar os dados compatíveis com o DNA, os pesquisadores tiveram que converter os 1s e 0s de dados tradicionais para as letras ACGT. Dessa forma, os dados foram passados para a companhia Twist Bioscience, responsável por traduzir as letras para moléculas e devolvê-las para os pesquisadores.

O desafio, segundo os cientistas, não é o DNA em si, mas a dificuldade em gravar informações extensas de modo rápido e eficaz. De qualquer maneira, o feito divulgado hoje mostra para o que as empresas de tecnologia têm ficado atentas à essa novidade, afinal, a previsão dos pesquisadores é de que seja possível gravar nada menos que 1 bilhão de TB de informação em apenas 1 grama da molécula.

Fonte: Mashable