Marcas mudam de nome. Por que isso acontece?

Por Colaborador externo | 13 de Junho de 2016 às 09h21

Por Mariana Moura*

A Havaianas talvez seja um dos casos mais conhecidos de reposicionamento de marca que foi bem-sucedido. De chinelos comuns, a marca passou a entregar valor agregado e se tornar item de luxo até mesmo no exterior. Porém, existem também casos de empresas que, para aplicar seu reposicionamento, mudaram de novo. Sabia que a Accenture já se chamou Andersen Consulting? Ou que a LG Electronics um dia foi Lucky e GoldStar? Pois é, esse é um movimento de mercado mais comum do que pensamos (e, claro, estratégico).

A grande pergunta então é: por que as companhias aplicam um reposicionamento e mudam o nome de suas marcas? Entenda, mesmo as grandes empresas enfrentam desafios ao longo de sua trajetória. Nem tudo é um oceano azul e temos que ter a visão de que mesmo tendo uma marca forte no mercado, de renome e tradicional, quando não há mais espaço para criar e crescer, chegou a hora de mudar. Pensar fora da caixa é essencial para quem empreende e mudar o posicionamento de uma marca pode ser sim a alternativa que falta para diversificar seu ramo de atuação, usufruir de novas tecnologias, produzir novos conteúdos, expandir e ampliar cada vez mais o território de atuação.

O que assusta muitos empreendedores é o fato que para recriar uma marca é necessário alinhar o propósito da mudança, os valores, as expectativas, ter cuidado e muito estudo. Afinal, ter uma identidade forte é um dos fatores responsáveis pelo sucesso de uma marca. Mas por outro lado, ter coragem de repaginar todo seu negócio, mostra o quão antenado as tendências do mercado você está, pois, o sucesso depende muito da capacidade de gerar nova demanda e de criar e conquistar novos mercados. Se você identifica que no mercado atual não há mais espaço para sua empresa, atenção, é hora de mudar.

Na minha opinião, somente após alinhar todos os propósitos de mudança será possível decidir quais as estratégias que irão conduzir todas as decisões e manifestações da marca, indo desde a remodelagem do negócio, gestão, definição do portfólio de produtos e serviços, produção e até a criação de novos produtos e comunicação, preparando-a para o futuro. Hoje em dia, as pessoas têm que entender que a marca não é somente um logotipo, nome de um produto ou serviço.

Uma mudança de marca não envolve somente mudança de nome ou logotipo, envolve a criação de novos negócios, reposicionamento no mercado, identificação e criação de novas oportunidades, lançamento de produtos e serviços, entre outros pontos. O que não pode acontecer é a empresa perder sua essência, pois ela deve estar presente em todos os aspectos, mas a linha estratégica de uma empresa pode mudar de acordo com os pontos citados acima.

Para finalizar, acho importante esclarecer que a linguagem visual e verbal não necessariamente precisa estar conectada a marca antiga. Toda a estratégia de branding dever ser o alicerce para a tomada das decisões em relação à marca e posicionamento. Portanto, para que a marca se consolide de forma positiva no mercado é necessário apostar em uma construção bem estruturada com muito estudo e planejamento.

*Mariana Moura, Branding Manager da SambaAds, empresa focada em distribuição de conteúdo por meio de vídeos online

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.