iPhone SE: o novo aparelho de "baixo custo" da Apple [Análise]

Por Adriano Ponte

Como é de praxe, muitos rumores anteciparam a chegada do iPhone SE, o substituto do iPhone 5c como um modelo de “baixo custo” da Apple. Mas a pergunta que martela a cabeça de 10 entre 10 interessados pelo novo gadget é se ele realmente vale o investimento, afinal é sabido que um aparelho “barato” da Maçã não é, de fato, tão barato assim.

Está em dúvida sobre comprar ou não o novo iPhone? Quer saber mais sobre o que Apple preparou para o seu mais recente lançamento? Então, confira agora a nossa análise completa.

Olhando para o smartphone, o que temos é um design igual ao do iPhone 5s, mas com alma de SE. O gadget é leve e fino, conta com bordas de metal e tem um aspecto mais quadrado e plano. Um detalhe interessante aqui é a ausência daquela elevação típica dos iPhones mais recentes, deixando o novo aparelho ainda mais parecido com o iPhone 5s, de 2013. Pensando em termos de pegada, o iPhone SE é extremamente anatômico, capaz de ser utilizado sem riscos com uma única mão.

iPhone SE

iPhone SE: novo aparelho de baixo custo da Apple. (Foto: Canaltech)

Especificações

  • Chipset Apple A9 com CPU dual-core de 1,84 GHz Twister;
  • GPU PowerVR GT7600 de seis núcleos;
  • Memória RAM de 2 GB;
  • 16 GB ou 64 GB para armazenamento interno;
  • Tela IPS LCD de 4 polegadas com resolução de 1.136 x 640 pixels (~326 ppi);
  • Câmera traseira de 12 megapixels;
  • Câmera frontal de 1,2 megapixels;
  • Conexões: Wi-Fi 802.11 a/b/g/n/ac, Bluetooth 4.2, GPS com A-GPS + GLONASS, NFC (apenas Apple Pay);
  • Leitor biométrico;
  • Dimensões: 123,8 x 58,6 x 7,6 milímetros;
  • Peso: 113 gramas;
  • iOS 9.3;
  • Disponível nas cores prata, dourado, rose gold e space gray.

Display e multimídia

Ocupando a frente do SE temos uma tela IPS LCD de apenas 4 polegadas, algo bastante raro para os dias de hoje. Contudo, o tamanho reduzido acaba sendo o principal apelo do aparelho, afinal ele pode ser usado perfeitamente com uma única mão. Olhando para ele é possível notar que cerca de 60% da sua parte frontal é ocupada pela tela, com bordas grossas destacando o estilo clássico do iPhone.

A resolução (1.136 x 640 pixels com densidade de 326 ppi) é a mesma do iPhone 5s lançado há três anos, o que não é problema. Isso porque este gadget conta com uma densidade de pixels maior, garantindo o conforto visual — especialmente para um display deste tamanho. O resumo da ópera aqui é: boa qualidade de imagens, ângulos amplos de visão e um bom contraste.

Apesar de, no geral, ser bastante positiva, a experiência com a tela deixa a impressão de que a Apple poderia ter ido além, quem sabe empregando painéis AMOLED ou mesmo reforçar o IPS LCD já tradicional em seus gadgets.

iPhone SE

iPhone volta a modelo de 4 polegadas com o SE. (Foto: Canaltech)

Na parte inferior do gadget está o alto-falante, e se o visual do iPhone SE é herdado do iPhone 5s, era razoável imaginar que alguns problemas do aparelho de 2013 também se repetissem agora. E um deles é justamente o alto-falante, que permaneceu isolado na base do smartphone. Além de reproduzir sons de forma nada envolvente, a saída de áudio aqui pode ser facilmente abafada — quem sabe está na hora da Apple aplicar nos iPhones a mesma fórmula do iPad Pro, que tem quatro saídas de som.

Usabilidade e desempenho

O ótimo trabalho feito pela Apple para casar hardware e software já é bastante conhecido e se repetiu no iPhone SE. O gadget tem plena capacidade de rodar tudo sem problemas, de transições de telas aos apps, de games ao carregamento de páginas no Safari.

Vale destacar que o hardware deste aparelho é bem semelhante ao do iPhone 6s — chipset, placa gráfica e quantidade de RAM —, ou seja, você provavelmente já sabe o que esperar dele. E como a sua resolução é menor, ele tende a se sair ainda melhor em questão de desempenho — ao menos na teoria, mas os testes mostraram que, se há diferença, ela é praticamente imperceptível.

Câmeras

As câmeras são outros detalhes do iPhone SE herdados do iPhone 5s. Este aparelho conta com câmera de 12 megapixels, f/2.2, 29 mm, sensor de 1/3” e capaz de fazer vídeos em 4K — estes dois últimos recursos iguais aos do iPhone 6s. Diferente do 6s, porém, este aparelho não traz aquele calombo bizarro na lente da câmera, tornando a experiência geral com a captura de imagens ainda melhor por aqui. O veredito é: o SE se garante.

A parte frustrante fica na câmera frontal, que manteve basicamente as mesmas configurações de 2013 e apresenta um desempenho medíocre para um aparelho sendo lançado em 2016. E um dos principais problemas disso é a resolução baixíssima, de apenas 1,2 megapixels, algo incapaz de ser contornado mesmo que o aparelho viesse equipado com o melhor sensor do mundo, o que não é o caso.

iPhone SE

Câmera traseira do iPhone SE dá conta do recado. (Foto: Canaltech)

Bateria e acessórios

Infelizmente, a companhia insiste na ideia de que a otimização deve vir na parte de software, ou seja, nada de criar baterias mais potentes para os seus smartphones — se você tem algum aparelho da companhia deve saber bem do que estamos falando.

O SE conta com uma bateria de 1.642 mAh, apenas 82 mAh a mais do que o 5s original, uma mudança quase imperceptível em tempos de Snapchat e outros apps e serviços comilões de bateria. De qualquer maneira, os nossos testes com streaming de vídeo indicaram um consumo de 9% da carga por hora. Apesar de obviamente este panorama ser bem diferente do seu uso diário do gadget, não deixa de ser uma marca interessante.

Vale a pena?

Se você está atrás de um gadget da Apple e este será o seu primeiro iPhone, comprar o SE pode quase valer a pena. Isso porque o aparelho tem um custo não assim tão baixo: seu preço oficial lá fora é de US$ 399, quase a metade do preço do iPhone 6s (US$ 649). Isso nos dá a esperança de que, talvez, ele chegue aqui no Brasil também custando quase a metade do iPhone 6s.

Mesmo no melhor dos cenários, estamos falando em valores que giram na casa dos milhares de reais — visite a loja online da Apple e faça as contas. Entretanto, se o preço não é o problema e se você não se importa em ter que recarregar o smartphone várias vezes durante o dia, o iPhone SE pode ser uma ótima opção, afinal de pequeno ele só tem a tela.