Ingram Micro espera fechar ano com crescimento de até 15% no Brasil

Por Rafael Romer | 14.12.2016 às 18:18
photo_camera Divulgação

A distribuidora de soluções e serviços de TI Ingram Micro (IM) espera fechar o ano com um crescimento de "10% a 15%" no mercado brasileiro, afirmou o vice-presidente e CEO da empresa no país, Diego Utge, durante um evento de balanço anual de negócios com clientes da empresa, nesta quarta-feira (14).

A companhia só deve consolidar os resultados do último trimestre fiscal de sua operação nas próximas duas semanas, mas viu um bom momento para o desenvolvimento de negócios no país, mesmo com a retração econômica observada por vários setores da indústria nacional.

"Tudo indica que no ano que vem, nos indicadores econômicos e de confiança dos consumidores, nós começaremos a ver sinais positivos", avaliou Utge. "Nossa base de canais tem crescido muito e estamos muito otimistas para continuar esse crescimento no ano que vem".

Os resultados positivos no país vieram em um ano agitado para a empresa por aqui, marcado pela conclusão do seu processo de integração de times e ativos com a distribuidora Ação Informática – adquirida pela IM em outubro de 2015. "A gente conseguiu manter os recursos, investir novos recursos e hoje já somos uma companhia integrada, com pouca disrupção no nosso negócio", comentou o executivo.

Globalmente, a Ingram também passou por uma transformação interna, após sua aquisição pelo grupo chinês HNA, em uma negociação que foi avaliada em US$ 6 bilhões. O processo foi encerrado oficialmente na semana passada e agora deve dar mais "fôlego" e capacidade de investimento para empresa em mercados emergentes – em um total de US$ 90 bilhões em ativos.

Um dos potenciais de expansão que a companhia ainda vê no Brasil é no setor de cloud. Em setembro, a IM anunciou o lançamento de seu marketplace de serviços de nuvem para revendas no país, um dos pilares da estratégia da empresa para alavancar a demanda pela tecnologia no país. Hoje, o Brasil já é o quarto principal mercado de nuvem para a IM no mundo, atrás somente dos Estados Unidos, Austrália e do Reino Unido.

Em 2017, a IM espera adicionar ao menos oito parceiros para a plataforma no país, incluindo soluções de segurança da Sophos, RSA e Trend Micro, ferramentas de CRM da SugarCRM, storage com Dropbox, IBM Watson e soluções gráficas para ambientes virtualizados com a Nvidia.

Para suportar a expansão, a companhia deve continuar a reforçar sua estratégia junto a canais, mas também expandir a presença física com mais engenheiros de pré-venda no país, para diminuição de ciclos de vendas, auxílio aos parceiros e exploração de novas possibilidades de negócios.

"No Brasil, nesses tempos difíceis nós não diminuímos custos operacionais, nós investimos", comentou o vice-presidente da Ingram Micro para Américas, Paul Bay. "Nós sabemos que no longo prazo isso é uma oportunidade. Não importa o que digam sobre o PIB ou sobre a economia, a tecnologia é pode ajudar a resolver essas questões".

A empresa não abriu números para o país, mas tem hoje um faturamento de superior a US$ 18 bilhões nos 42 mercados em que atua nas Américas, com 50 mil clientes na região.