IDC FutureScape prevê dez tendências para a robótica em 2017

Por Redação | 09 de Dezembro de 2016 às 13h56

A IDC liberou nesta sexta-feira (09) a edição 2017 do relatório anual FutureScape: Worldwide Robotics Predictions, em que aponta dez tendências e drivers para a robótico a partir do ano que vem.

Para Jing Bing Zhang, diretor de pesquisa do programa de robótica comercial da firma de consultoria, o avanço da inteligência artificial associada à visão computacional, navegação, sensores MEMS e semicondutores impulsiona cada vez mais a utilização de robôs industriais e de serviço.

"A robótica continuará acelerando a inovação, criando disrupção e mudando o paradigma das operações de negócio em muitas indústrias", destacou o executivo, que espera por uma adoção mais forte da robótica fora das fábricas tradicionais de manufatura. "Encorajamos as companhias voltadas para o usuário final a analisar como os robôs podem melhorar sua capacidade competitiva melhorando a qualidade, produtividade operacional e agilidade, e as experiências de todos os interessados".

Diante disso, a IDC listou dez previsões para o setor, incluindo tendências, oportunidades e desafios. São elas:

1. Robô como serviço: em 2019, 30% das aplicações de robótica comercial serão no modelo de negócio "Robô como serviço", que reduzirá o custo de implantação de robôs.

2. Chief Robotics Officer: 30% das maiores companhias irão criar o cargo de diretor de robótica ou irão definir uma função específica para esse segmento dentro do negócio.

3. Evolução do ambiente concorrencial: em 2020, as empresas terão mais escolha porque novos fabricantes entrarão no mercado para suportar a adoção de robôs.

4. Escassez de talento: daqui a três anos, o crescimento do setor irá acelerar a corrida por talentos, fazendo com que 35% das vagas em empregos relacionados a robótica fiquem vazias. O salário médio aumentará 60%.

5. Robótica enfrentará regulação: governos começarão a implementar regulações específicas para preservar postos de trabalho e atender a receios de segurança e privacidade.

6. Robô definido por Software: em 2020, 60% dos robôs dependerão de software baseado na nuvem para definir novas competências, capacidades cognitivas e programas aplicacionais, levando à formação de um marketplace robótico na nuvem.

7. Robô colaborativo: em 2018, 30% de todas as novas instalações serão de robôs inteligentes e colaborativos, que operam três vezes mais rápido que os atuais e podem ser usados para trabalhos junto aos humanos, em segurança.

8. RobôNet Inteligente: em três anos, 40% dos robôs comerciais estarão conectados a uma plataforma de inteligência compartilhada, resultando em uma melhoria de 200% na eficiência operacional geral.

9. Crescimento fora das fábricas: em 2019, 35% das maiores companhias de logística, saúde, utilidades e recursos vão explorar o uso de robôs para automatizar suas operações.

10. Robótica para e-commerce: em 2018, 45% das 200 maiores companhias de comércio eletrônico e omni-channel irão implementar sistemas robóticos para as operações de armazém e distribuição.

Instagram do Canaltech

Acompanhe nossos bastidores e fique por dentro das novidades que estão por vir no CT.