IBM oferecerá conteúdo para formação de profissionais de computação cognitiva

Por Redação | 01.07.2015 às 09:12
photo_camera Divulgação

A subsidiária da IBM no Brasil anunciou parcerias com algumas universidades brasileiras para formar profissionais na área de computação cognitiva. Para isso, empresa introduzirá disciplinas relacionadas ao tema em alguns cursos de graduação e pós-graduação, mestrado e doutorado na ESPM, Universidade Presbiteriana Mackenzie e no Insper.

Com o programa, a IBM Brasil espera que cerca de 600 alunos sejam contemplados com o conteúdo até o final do próximo ano. Além do conteúdo, a companhia será responsável pela mentoria dos professores que irão ministrar as disciplinas de desenvolvimento e experimentação, ambiente de treinamento e disponibilização de softwares para a criação de aplicações na área.

O cientista-chefe do Laboratório de Pesquisa da IBM Brasil, Fabio Gandour, irá ministrar aulas em algumas das universidades parceiras. O líder técnico do IBM Watson no Brasil e América Latina, Fabricio Barth, também apoiará o projeto. "Para a IBM, a difusão do conhecimento nessa área é tão importante como o desenvolvimento da tecnologia em si. O uso de sistemas cognitivos crescerá de forma substancial nos próximos anos e décadas, portanto temos a missão de auxiliar as instruções de ensino na preparação de profissionais que vão lidar com essas tecnologias", comenda Gandour.

As universidades parceiras do projeto irão oferecer a infraestrutura de laboratório de TI para que seja possível o desenvolvimento de aplicações na plataforma Watson com o serviço IBM Bluemix. Todo o projeto faz parte de uma estratégia mundial da unidade de negócios Watson, desenvolvida em conjunto com o IBM Academic Initiative. Tal programa oferece a instituições de ensino acesso a softwares da companhia, materiais didáticos e incentivos às certificações de maneira gratuita.

A IBM, desde o lançamento comercial do Watson, aposta em mercados estratégicos como o Brasil para iniciar o trabalho com o novo produto. O banco privado Bradesco foi o primeiro cliente da plataforma de análise de dados no país. De acordo com a norte-americana, o Watson consegue analisar um grande volume de dados e processar informações de forma bem mais parecida com um ser humano do que com qualquer computador. Isso é possível graças a compreensão da linguagem natural, gerando hipóteses baseadas em evidências e dando resultados de maneira probabilística.

Com o Watson, a Big Blue também pretende ampliar sua atuação na área da saúde. Um exemplo de como ele poderia atuar é na área de oncologia. Nela, a plataforma tem feito ótimas evoluções com o uso da computação cognitiva. No Memorial Sloan Kettering, hospital norte-americano especializado no tratamento de câncer, os médicos podem realizar pesquisas em um enorme banco de dados com o objetivo de compor determinado tratamento.

Fonte: http://www.baguete.com.br/noticias/30/06/2015/ibm-ensina-computacao-cognitiva-na-graduacao