IBM e Fujifilm conseguem armazenar 220 terabytes em uma única fita cassete

Por Redação | 27.04.2015 às 10:14 - atualizado em 29.04.2015 às 10:47
photo_camera Foto: Reprodução

Quem achava que a fita cassete estava extinta, bem, está certo. Mas agora pesquisadores da IBM descobriram uma forma de reutilizar o item e comprimir 220 terabytes em uma única fita magnética.

Em parceria com a Fujifilm, a IBM conseguiu armazenar 123 bilhões de bits de dados não comprimidos em uma polegada quadrada de fita magnética. Embora o número surpreenda à primeira vista, ele corresponde a apenas 15 GB de informação, o que não chama nenhum pouco a atenção se considerarmos os atuais cartões microSD que tem até 200 GB de espaço. Contudo, o custo de uma fita magnética (ou cassete) é infinitimanete inferior a de um cartão desse porte, que custa em torno de US$ 400 - o que acaba tornando a novidade bastante atraente.

Para alcançar o feito, os pesquisadores precisaram desenvolver uma série de novas tecnologias, como novos controles para as cabeças magnéticas, que deverão ser capazes de escrever dados em um nível nanométrico. Além disso, foi usada uma substância ferrosa conhecida como bário, cujas partículas podem ser usadas tanto para a melhoria do sinal, quanto para a correção de erros de algorítmo.

As companhias não disseram se a tecnologia um dia chegará ao mercado de data centers, mas a IBM se mostra confiante na pesquisa e parece acreditar que ela pode ajudar a criar cópias reais de muitos dos dados que hoje estão guardados em serviços de armazenamento em nuvem.

Fonte: Gizmodo