Hugo Barra atribui falha em vendas da Xiaomi no Brasil ao número de acessos

Por Redação | 08.07.2015 às 17:24 - atualizado em 08.07.2015 às 17:35
photo_camera Bruno Hypolito

O número de acessos acima do esperado durante o primeiro dia de vendas do seu Redmi 2 no Brasil foi o motivo das falhas enfrentadas por alguns consumidores na tarde desta terça-feira (7), que não conseguiram completar a compra dos smartphones dentro do site da Xiaomi, afirmou o Vice-Presidente Internacional da companhia chinesa, Hugo Barra.

"Apareceu muito mais gente no site do que imaginávamos, o que gerou algumas instabilidades e problemas técnicos, que acabaram aumentando um pouco a janela de venda", comentou o executivo em um encontro com jornalistas nesta quarta-feira (8), em São Paulo. "No final das contas foi ótimo, nós aprendemos muito com o que aconteceu para garantir que na semana que vem a venda seja muito boa".

Apesar dos problemas, a Xiaomi comemorou o resultado de seu primeiro "evento" de vendas no país, que teve todo o estoque de smartphones esgotado em menos de uma hora. A empresa, no entanto, não revelou o número total de aparelhos vendidos ontem.

Por aqui, ela adotou sua mesma estratégia de vendas de outros mercados globais, focada nos chamados "eventos". Funciona da seguinte forma: em datas e horários específicos, aqueles que quiserem comprar o produto devem entrar no site oficial, na janela de tempo determinada, e efetivar a compra online, antes que o estoque separado para aquele evento termine.

De acordo com Barra, as vendas feitas exclusivamente pelo site da empresa e através dos "eventos" são um dos motivos da empresa chinesa conseguir manter preços altamente competitivos para seus produtos. No Brasil, o primeiro smartphone lançado pela Xiaomi, o intermediário Redmi 2, chegou pelo preço de R$ 499.

A inauguração da estratégia, entretanto, acabou tropeçando no número grande de compradores. Diversos usuários reclamaram da instabilidade do site através das redes sociais, afirmando que não conseguiam clicar no botão de fechamento da compra. Alguns consumidores chegaram a ironizar o acontecimento, através de hashtags como #tchaumi.

A empresa, no entanto, contornou o imprevisto estendendo o período de vendas do seu primeiro evento por mais 24 horas, até esta quarta-feira — mas somente para os usuários que já estavam dentro do site e tiveram problemas de acesso durante a compra. De acordo com Barra, o problema foi resolvido junto à empresa responsável pelo e-commerce da Xiaomi no Brasil, a B2W, e os usuários prejudicados foram contactados.

"Até o final do dia a gente identificou todos os usuários que entraram para a compra e tiveram algum problema por causa do cache, e mandamos para todos eles um e-mail com um link para completar a compra", disse. Segundo Barra, uma das consumidoras prejudicadas pela falha no sistema foi sua própria mãe, que já enviou uma mensagem para o filho reclamando do erro no site só seis minutos após a abertura do evento de compras.

Na madrugada desta quarta, Barra também divulgou um vídeo na página do Facebook da empresa no qual se desculpou pela instabilidade do evento de vendas. "Nossa equipe trabalhou durante a tarde e vai continuar trabalhando com nosso parceiro de comércio eletrônico para garantir que na semana que vem nosso evento de vendas seja muito mais redondo e que tudo ocorra bem", afimou na mensagem.

Questionado sobre mudanças para os próximos eventos de compra, como a inclusão da opção de pagamento através de boletos bancários, Barra não fez nenhum comentário.