Valor das ações da Uber e Lyft aumenta. E isso não é bom para o consumidor

Por Nathan Vieira | 08 de Agosto de 2019 às 14h35

Nesta quinta-feira (8), os arquirrivais Lyft e Uber, voltadas ao transporte privado urbano por meio de aplicativos, começaram a dar sinais de que a guerra de preços está perto do fim. Para os clientes, isso pode significar um aumento dos preços. Para as próprias empresas, a trégua nos valores gera o impulsionamento das ações. Na receita da Lyft, por exemplo, houve um aumento de receita de 72%, e seus preços mais altos levariam as vendas do terceiro trimestre e do ano inteiro a superar as expectativas do mercado.

Os analistas ficaram animados com o aumento de 72% na receita da Lyft

2018 representou o ano com mais perdas para a Lyft, segundo as palavras do próprio vice-presidente financeiro da empresa, Brian Roberts. O executivo afirma que os preços se tornaram "mais racionais", o que significa menos gastos em torno das promoções usadas para alavancar sua participação no mercado. "Acreditamos que esses ajustes de preços são uma tendência da indústria", Roberts afirma.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Tanto a Lyft quanto a Uber, têm, historicamente, confiado em pesados descontos para atrair os clientes. Enquanto as empresas, no último trimestre, relataram sinais de que a competição de preços estava diminuindo, as duas também estão gastando para expandir os serviços em áreas como tecnologia para veículos autônomos, no caso da Lyft, e entrega de alimentos, no caso da Uber.

"Enquanto a Lyft continua a gastar agressivamente em várias iniciativas, a pressão competitiva sobre os incentivos para o serviço continua a diminuir, o que é um sinal de um duopólio racional entre a Lyft e a Uber no momento", afirmaram analistas da consultoria PiperJaffray para a agência de notícias Reuters.

Além disso, analistas da Canaccord alegam que a alta de 22% da Lyft na receita por passageiro no trimestre parece ter sido muito mais impulsionada pela redução dos incentivos aos clientes do que qualquer aumento no número de passageiros.

Lyft e Uber estavam dedicadas a grandes descontos para atrair passageiros

Essa situação está permitindo à Lyft elevar sua perspectiva para o ano de 2019 e prever um caminho mais rápido para a lucratividade. O executivo-chefe da companhia, Logan Green, diz em comunicado que os números de 2019 seriam "melhores do que o esperado anteriormente".

Fonte: Reuters

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.