Google tentou comprar Telegram por US$ 1 bilhão

Por Redação | 29.04.2016 às 09:26

Não é surpresa nenhuma que o Google vem tentando se estabelecer como um competidor forte no setor de aplicativos de mensagens instantâneas, em especial desde que as negociações com o WhatsApp fracassaram alguns anos atrás. Desde então, a companhia tem trabalhado no desenvolvimento de um novo aplicativo que poderia substituir o Hangouts como uma solução de mensagens baseada em chatbots. Contudo, também de acordo com rumores recentes, a gigante da Internet estaria tentando adquirir o Telegram, um dos serviços de mensagens mais utilizados do mundo.

Informações vindas da Rússia afirmam que o CEO do Google, Sundar Pichai, se reuniu com o fundador do Telegram, Pavel Durov, para discutir uma aquisição no valor de US$ 1 bilhão. Fontes próximas de Durov declaram que essa reunião aconteceu há cerca de um ano e tinha a clara intenção de discutir a compra do aplicativo de mensagens. No entanto, perguntado sobre a reunião posteriormente, Durov afirmou que um acordo com o Google estava "fora de questão".

Apesar da negativa sobre as negociações, a reunião não fechou as portas para uma possível compra no futuro, ainda mais considerando que o Google segue na tentativa de contar com um serviço de mensagens que possa concorrer com o WhatsApp e o Messenger. Anos atrás, a companhia de Mountain View apostou em trazer mais recursos ao Hangouts na tentativa de fazer com que ele fosse amplamente utilizado entre os usuários, com a vantagem de ser um serviço nativo nos dispositivos Android. Mesmo assim, o aplicativo ficou para trás dos concorrentes do Facebook e também do Telegram.

Além da negociação com o Telegram e o desenvolvimento de um novo aplicativo para substituir o Hangouts, recentemente o Google declarou abertamente que estava envolvido em uma rodada de financiamento para a Symphony, uma startup de mensagens semelhante ao Telegram, e que injetaria US$ 100 milhões nela. Essas tentativas deixam claro que o Google está focado como nunca no fortalecimento de seu serviço de mensagens.

Via 9to5Google