Google se une a grupo que vende pacotes de patentes de internet móvel

Por Redação | 10.04.2015 às 12:36

A busca pela padronização e utilização em massa de suas tecnologias no mercado mobile levou o Google a se unir a um grupo de empresas que vendem suas patentes de tecnologia LTE em pacotes. A ideia, aqui, é facilitar o trabalho de quem licencia suas invenções e também daqueles que desejam utilizá-las em seus produtos, evitando que tenham que falar com cada uma das companhias separadamente.

A iniciativa é da Via Licensing, uma subsidiária da Dolby, e existe desde 2012, reunindo empresas de tecnologia móvel no que é chamado de “patent pool”. Em iniciativas desse tipo, criadores de tecnologias adjacentes se unem em um único grupo, de forma a popularizar a utilização de suas tecnologias em diversos produtos para que elas, eventualmente, se transformem em um padrão da indústria. A escolha pode diminuir os ganhos com licenciamento, claro, mas também podem significar lucros maiores em escala, além, claro, do já citado ganho de importância.

Após uma escalada de processos judiciais que acompanhavam a popularização do sistema operacional Android, o Google parecia cada vez mais propenso a utilizar apenas tecnologias patenteadas pela Motorola, principalmente após a aquisição da companhia. A marca possui um grande portfólio de patentes mobile, que poderiam suprir boa parte das necessidades dos aparelhos a serem lançados.

O problema é que isso, apesar de ter reduzido o número de problemas na justiça, causou outra briga, com acusações de que o Google estaria dificultando a compra de tecnologias registradas pela concorrência. Recentemente, por exemplo, a gigante foi alvo de uma ação do tipo por parte da Microsoft, que acusa a rival de dificultar a aquisição de patentes de internet móvel para uso em celulares da linha Lumia – algo que é proibido pela lei de patentes dos EUA, que obriga empresas a serem “razoáveis” e “justas” nesse tipo de negociação.

A entrada para a patent pool está sendo vista, inclusive, como um reflexo de casos desse tipo. Ao mudar sua postura, o Google estaria disposto não apenas a deixar de receber processos desse tipo, mas também ser visto com outros olhos pelas outras companhias do setor. Como uma das principais expoentes do mundo mobile, isso pode até mesmo acabar ajudando nos negócios.

Também fazem parte do grupo da Via Licensing empresas como a HP e a Docomo, além de operadoras internacionais como a Telefónica, Telecom Italia, ZTE, NTT Docomo e China Mobile. O grupo cobra cerca de US$ 3 de licenciamento por cada aparelho fabricado utilizando as patentes da coalizão, um valor que é dividido entre as participantes de acordo com o número de tecnologias registradas por cada uma delas.

O Google confirmou oficialmente a entrada para o grupo, mas claro, não comentou sobre esse movimento ter sido um reflexo dos recentes problemas judiciais. Eles continuam caminhando pelos tribunais, e devem resultar em um prejuízo de milhões de dólares apenas no caso da Microsoft, em danos que teriam sido causados à concorrência entre as duas empresas.

Fonte: Recode