Google Pixel está apresentando problemas de hardware

Por Redação | 10.03.2017 às 10:25 - atualizado em 10.03.2017 às 12:40

No ano passado, o Google chamou as atenções no mercado de smartphones ao lançar o Google Pixel e Pixel XL, dois aparelhos voltados para o segmento high-end e que foram elogiados tanto pelo público quanto pelos especialistas - caso não acredite, confira a nossa análise do produto aqui. Entretanto, depois de meses de uso, donos do aparelho estão detectando problemas no hardware do smartphone.

Depois de receber uma onda de reclamações de usuários, o Google confirmou que um determinado número de Pixels foram ao mercado com microfones defeituosos, incapazes de gravar áudio. Como a falha é em um componente físico, não é possível fazer uma correção via software, o que obrigou a empresa a fazer o recall de diversos dispositivos.

A informação chegou a ser confirmada Brian Rakowski, Vice Presidente de Produtos do Google, em um fórum da empresa, respondendo a um questionamento vindo de um consumidor insatisfeito.

“Acreditamos que seja um problema de hardware. Estamos tomando medidas adicionais para consertar smartphones recondicionados para garantir que eles não tenham esse problema no microfone. É possível que alguns smartphones de reposição não foram consertado apropriadamente antes de entendermos melhor o problema, mas este não é mais o caso", afirmou Rakowski.

De acordo com a empresa de Mountain View, a falha se deu devido a uma rachadura na solda da conexão onde o microfone se comunica com o codificador de audio do smartphone. Apesar das reclamações, o Google afirmou que menos de 1% da produção do aparelho apresentou este problema.

De qualquer forma, esta não é a primeira falha apontada por usuários do Pixel e Pixel XL. Usuários também notaram uma falha na lente da câmera traseira do smartphone que causava vazamentos de luz (flares) nas imagens - entretanto, essa falha foi parcialmente corrigida via software.

Mesmo assim, falhas desse tipo são algo bem distante de smartphones explosivos, não é mesmo?

Fonte: Forbes