Google DeepMind fará pesquisa sobre prevenção de doenças oculares

Por Ruam Oliveira | 05 de Julho de 2016 às 13h25
photo_camera Reprodução/The Verge

O Google DeepMind, laboratório de pesquisa em inteligência artificial localizado no Reino Unido e com foco em jogos, dessa vez se voltou para a área da saúde. A startup já havia realizado grandes feitos no ano passado com o "AlphaGo", um botão de emergência para inteligências artificiais. Agora a DeepMind anunciou uma parceria com o Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido (conhecido como NHS) para a criação de algoritmos que possam diagnosticar doenças oculares enquanto estiverem nos primeiros estágios, evitando que mais pessoas sofram com a cegueira, por exemplo.

De acordo com a empresa, cerca de dois milhões de pessoas no Reino Unido convivem com problemas de perda de visão, sendo que destas, aproximadamente 360 mil são registradas como cegas ou com algum tipo de deficiência visual.

O laboratório explicou que atualmente os profissionais que são especializados na saúde ocular usam escaneamento de retina para diagnosticar e determinar qual o tratamento mais correto. No entanto, pela complexidade que esta análise demanda, os métodos tradicionais são, de acordo com o Google DeepMind, incapazes de explorar os resultados em sua totalidade, fazendo com que os médicos e pesquisadores da área gastem muito tempo com esse tipo de análise.

A ideia desta parceria é, então, treinar um tipo de algoritmo que possa ser capaz de identificar quaisquer problemas nos olhos dos pacientes apenas com um escaneamento ocular. Os primeiros dados serão fornecidos pelo departamento de saúde ao Google DeepMind - cerca de um milhão de scans oculares anônimos - para que a máquina possa "aprender" com estes dados.

Optical Cohence

"Com a previsão de que até 2050 a perda de visão pode dobrar é vital que exploremos o uso das tecnologias de ponta para prevenir doenças oculares", disse o Professor Peng Tee Khaw, diretor do Insituto Nacional para Pesquisa em Saúde e especialista no Centro de Pesquisa Biomédica em Oftalmologia. Khaw trabalha no Moorfields Eye Hospital, também parte integrante do NHS e o principal parceiro da pesquisa.

O projeto tem previsãode durar por cinco anos, mas tanto o Moorfields quanto o DeepMind podem "desistir" dele com um aviso de 30 dias de antecedência. Ao final do acordo a DeepMind deve destruir todas as cópias de dados enviados pelo Hospital Moorfields.

A ideia de pesquisa surgiu quando um oftalmologista leu os estudos do DeepMind com os jogos do Atari 2600, ele sugeriu que os algoritmos que eram bons para ensinar a jogar video game poderia também ser bons para identificar doenças oculares observando exames anteriores.

Em fevereiro, a DeepMind já havia anunciado uma pesquisa sobre doenças nos rins - que seria monitorados por aplicativos móveis - também em parceria com o serviço de saúde britânico. A maior diferença é que esta pesquisa foca no tratamento, enquanto a anterior tem seu enfoque na prevenção das doenças.

Fontes: DeepMind, MeioBit