Google construiu câmera especial para diretor de “Velozes e Furiosos 6”

Por Redação | 02.06.2015 às 09:13

Como se criar uma plataforma na qual os usuários pudessem assistir a filmes em 360 graus já não fosse desafio o suficiente, o Google se viu diante de mais uma grande batalha na hora da criação de seu primeiro curta com atores de verdade. Por trás da produção estava um grande nome, Justin Lin, o diretor do aclamado “Velozes e Furiosos 6”, com influência o suficiente para demandar a construção de uma câmera dedicada inteiramente a seu trabalho.

Foi assim que, como exibiu o time ATAP do Google, nasceu “Help”, filme em que um grupo de personagens fogem de uma fera passando por mundos fantásticos e pós-apocalípticos. A produção será lançada em breve, inicialmente para o aplicativo do Spotlight Stories, chegando em algumas semanas também ao YouTube – que também possui uma plataforma de filmes em 360 graus – e por fim, ao iOS, que dever ganhar um aplicativo da novidade “em breve”.

Para quem não conhece, a ideia da inovação é colocar o espectador, literalmente, no centro da ação. Como os filmes acontecem ao redor de quem está assistindo, o celular serve como uma janela para a ação e seus sensores de movimento determinam o ângulo de visão. A ideia é que o usuário se movimente pelas cenas de forma a ver tudo o que está acontecendo e assista às produções diversas vezes para conseguir absorver todos os movimentos.

Até agora, os cineastas vinham fazendo isso por meio de animação, utilizando, inclusive, uma ferramenta criada pelo próprio Google. Para “Help”, porém, a empresa criou um conjunto de câmeras capazes de gravar vídeos em resolução 6K, montados sobre um suporte que, a companhia logo percebeu, poderia não ser capaz de aguentar o peso. Por isso, o time ATAP acabou reduzindo seus componentes ao máximo possível, chegando a um resultado que ainda é assustador, mas também pode ser considerado “minimalista”.

Help

Novos métodos de renderização de vídeo também tiveram que ser criados, uma necessidade que surgiu ainda na produção do filme. Lin precisava observar a ação pelos monitores e, para isso, além de telas com sensores de movimento capazes de se movimentar pelas cenas como um usuário faria – uma tecnologia já usada nos games, por exemplo –, o time criou um aparato com quatro displays para permitir que todos os 360 graus pudessem ser visualizados ao mesmo tempo.

Limitações da tecnologia atual também tiveram que ser encaradas na pós-produção. Nenhum dos aparelhos disponíveis atualmente no mercado, mesmo aqueles topo de linha, é capaz de processar toda a carga de vídeo ao mesmo tempo. Por isso, o Google criou um sistema que divide as imagens em blocos e somente renderiza aquilo que está sendo visualizado, deixando todo o restante em segundo plano.

Assim, conseguiu fazer com que a visualização de “Help” usasse apenas 25% do poder de processamento necessário originalmente. Ainda pode ser muito para os dispositivos mais modestos, mas permitiu que a visão original do diretor pudesse ser colocada em prática e efetivamente lançada.

No restante, temos as mesmas inovações já conhecidas de outros longas do tipo – uma direção de áudio criada especialmente para direcionar o olhar do espectador para a ação, mesmo que ele esteja usando fones de ouvido dos mais simples, e técnicas de filmagem feitas com o mesmo intuito, de forma a não transformar o mundo em 360 graus em uma distração que entre no caminho do objetivo principal.

As novidades foram apresentadas durante o Google I/O 2015, conferência da empresa dedicada a seus desenvolvedores. No evento, a empresa também anunciou a nova versão do sistema operacional Android, uma nova plataforma de organização de fotos e seu novo projeto de plataforma para a Internet das Coisas.

Fonte: Slash Gear