Google acredita que governo brasileiro deve incentivar e promover IoT

Por Redação | 08 de Fevereiro de 2017 às 21h21

Em era de Internet das Coisas (IoT), a importância do espectro não regulado vem à tona no Brasil. O Google deu sua contribuição referente ao assunto na consulta pública realizada pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) sobre o tema. O gigante sugere que os chamados white spaces, que são os espaços liberados entre as faixas reguladas, e aas frequências destinadas à rede Wi-Fi não sofram nenhum tipo de bloqueio por nova exigências regulatórias.

Segundo o Google, a IoT tem potencial de avanços significativos aos cidadãos, e o governo precisa estar ciente disso. Da mesma maneira, os governos também podem aproveitar o potencial da tecnologia móvel para desenvolver uma espécie de trabalho inteligente para seus funcionários, o que reduziria custos e aumentaria a eficiência.

Para que isso aconteça, é claro que é necessário destinar verbas para investir em cursos de graduação no Brasil, a fim de estimular e o brasileiro quanto a intercâmbio e trocas de disciplinas para promover o desenvolvimento de formações intersetoriais. Outro ponto levantado pelo Google é a interoperabilidade por meio de plataformas abertas, que geram mais opções para o consumidor e aumenta a competição no setor, reforçando o ecossistema para produzir ainda mais.

Um ecossistema de IoT deve ser levado em conta para que o governo invista em políticas públicas, para que todos possam participar desenvolvendo, implantando, compartilhando e comercializando aplicações e serviços de internet das coisas compatíveis entre si. O Google ainda defende a criação de uma nova linguagem padronizada para que os dispositivos conectados comuniquem entre si com qualidade alta, sem ruídos ou conflito de comandos.

Para alcançar estes objetivos, o gigante acredita que os governos devem promover incentivos econômicos muito bem planejados, pois isso é o que diminui as barreiras de entrada e estimula a inovação. "Além disso, governos podem conectar diferentes atores em uma perspectiva multissetorial, abrindo um importante diálogo sobre privacidade e segurança em IoT", explica a empresa.

Via Convergência Digital