GE adquire duas companhias de impressão 3D por US$ 1,4 bilhão

Por Redação | 07.09.2016 às 09:40 - atualizado em 07.09.2016 às 12:24

De acordo com os Diários Associados de Washington, a General Electric está cumprindo a sua promessa de investir pesado no setor de impressão 3D: só nesta semana a companhia americana gastou US$ 1,4 bilhões para adquirir as companhias Arcam AB, da Suécia, e o grupo SLM Solutions, da Alemanha. Se levarmos em conta a GE levou cinco anos para gastar uma quantia parecida antes dessas aquisições, ficam claras as intenções da companhia para essa tecnologia.

GE, General Electronics

A Arcam q10 é uma máquinas de impressão 3D EBM produzidas pela companhia sueca (Foto: Divulgação/Arcam AB)

Durante a coletiva de imprensa onde anunciou a oficialização das aquisições, a GE fez questão de as duas companhias compradas por ela são de grande relevância para o mercado: de acordo com a empresa, a Arcam AB foi responsável pela criação do EBM, ou Electron Beam Melting, uma tecnologia capaz de aumentar e muito a precisão de impressões 3D em metais, material com o qual quase nenhuma impressora 3D convencional é capaz de trabalhar. Para termos uma ideia, o EBM ainda é capaz de produzir múltiplas peças de uma só vez, aumentando várias vezes a sua capacidade de produção.

A SLM Solutions também não fica para trás: a companhia é uma das líderes europeias no uso de lasers para a produção de peças de metal, tecnologia que a GE deve incorporar naquelas desenvolvidas pela Arcam. Ambas as companhias tem uma longa história nas indústrias aeroespacial e da saúde, sendo que a SLM, por sua vez, conta com uma série de clientes nas indústrias automotiva e energética da Alemanha.

GE, General Electronics

Benéfica não só à indústria aeroespacial, a tecnologia EBM é muito utilizada para fazer implantes (Foto: Divulgação/CRF)

Ao falar para o Wall Street Journal, o CEO da divisão aeroespacial da GE, David Joyce, disse que embora a produção de turbinas ainda seja o foco da companhia como um todo, é muito provável que a GE passe a utilizar a impressão 3D em metais para seus motores e para seus empreendimentos no setor de saúde, também.

Nas palavras do jornal, "A GE deve comprar mais de 1,000 impressoras 3D EBM durante a próxima década. Ao trazer duas companhias para casa, a gigante diz manter as duas novas aquisições deve custar entre US$ 3 e 5 bilhões, já que a tecnologia pode e deve reduzir seu custo com o passar dos anos."

Queridinha de quem trabalha com materiais como o plástico e suas diversas formas, a impressão 3D também está na mira de quem trabalha com metal. O processo de impressão é capaz de produzir peças muito mais leves que as feitas em moldes, por exemplo, mas ao mesmo tempo pode custar mais tempo para ficar pronto. Tal característica faz com que muitas companhias como a GE considerem a impressão 3D EBM apenas para a produção de protótipos e peças de menor demanda, mas a própria GE afirma esperar que a tecnologia se torne mais rápida e eficiente em alguns anos.

Fonte: ArsTechnica, WSJ