Gastos com TI no Brasil devem crescer quase 3% em 2017, projeta Gartner

Por Redação | 26.10.2016 às 10:00
photo_camera http://socialcoach.com.br/coaching-de-carreira/coaching-o-qu

Os gastos com TI no Brasil devem crescer 2,9% em 2017, em comparação a este ano, atingindo R$ 236,1 bilhões, de acordo com estimativa do Gartner. Em muitos aspectos, o Brasil segue a tendência dos gastos globais de TI para o próximo ano, que também devem crescer 2,9% em relação a 2016, totalizando US$ 3,4 trilhões. Mas está um pouco acima da média da América Latina, cuja projeção de crescimento é de 2,5%.

Os analistas afirmam que, no futuro, o fortalecimento da moeda real fará com que o dólar referente a TI vá além, ajudando as organizações a atualizarem suas tecnologias conforme a melhora da economia brasileira.

“A inconstância significativa da taxa de câmbio e os desdobramentos políticos têm impactado o mercado brasileiro nos últimos dois anos. No entanto, o Brasil está começando a mostrar sinais de recuperação. O país está em uma fase de transição em direção às tecnologias com um impacto nos negócios em curto e médio prazo e uma transformação digital em longo prazo”, afirma Luis Anavitarte, Vice-Presidente de Pesquisa do Gartner.

A projeção da consultoria para o próximo ano indica que o segmento de dispositivos (incluindo PCs, tablets, celulares e impressoras) no Brasil deve somar R$ 46 bilhões, um aumento de 5,3%. Os gastos com sistemas de data center totalizarão R$ 6,8 bilhões, uma queda de 1,4% sobre 2016. Já as despesas com software irão chegar a R$ 14,6 bilhões, crescendo 7,8%. Gastos com serviços de TI alcançarão R$ 55,4 bilhões, um aumento de 6,3%, e os serviços de comunicação devem ter um crescimento estável, totalizando R$ 113,3 bilhões em 2017.

Ainda segundo o Gartner, software e serviços de TI serão a chave para o desenvolvimento do que a consultoria vem chamando de Infraestrutura da Civilização, uma nova plataforma digital que se estenderá para além da infraestrutura tradicional de TI utilizando novas tecnologias atípicas para a área.

Fonte: CIO