Foxconn confirma a morte de dois funcionários na última semana

Por Redação | 22.08.2016 às 12:15 - atualizado em 22.08.2016 às 12:27

A Foxconn está, mais uma vez, envolvida em possíveis polêmicas trabalhistas. A empresa, que é fornecedora de grandes empresas de tecnologia e tem a Apple como seu principal cliente, reconheceu nesta segunda-feira (22) a morte de dois de seus funcionários na última semana. Ambos trabalhavam na fábrica da companhia em Zhengzhou, na China, justamente a principal planta de produção dos produtos da Maçã.

O primeiro caso aconteceu no início da semana, quando o corpo de um homem foi encontrado no lado de fora da unidade. Ele havia começado a trabalhar na Foxconn em julho, mas, até onde a polícia foi capaz de apurar, uma ligação entre a rotina de trabalho na fábrica e o falecimento não pôde ser determinada, apesar de constar como uma das linhas de investigação por parte das autoridades.

Já a segunda ocorrência aconteceu na última sexta-feira (19), quando uma mulher foi vítima de um acidente de trem enquanto seguia para seu expediente na Foxconn. Por mais que a empresa tenha que assumir responsabilidade sobre acontecimentos também durante o caminho para o trabalho, mais uma vez, o caso não parece estar relacionado às condições de trabalho na fábrica de Zhengzhou.

Esse tipo de situação é encarada com extrema seriedade tanto pela Apple quanto pela Foxconn, que vêm trabalhando juntas para melhorar as condições de trabalho para seus funcionários. A mudança, também, vem em resposta aos suicídios de diversos colaboradores da fabricante há alguns anos, bem como suspeitas de mortes dentro de suas unidades causadas por exaustão, altas cargas de trabalho e péssimas condições para os trabalhadores, que acabaram espirrando também na empresa responsável pelo iPhone.

Também vale a pena citar que por mais que ainda não existam indícios de que as mortes estão relacionadas à rotina de trabalho na Foxconn, a unidade de Zhengzhou passa atualmente por seu momento anual de maior movimentação, em antecipação ao lançamento de uma nova versão do iPhone. O aparelho, marcado para chegar às lojas em alguns meses, pode fazer com que o total de funcionários na fábrica ultrapasse a barreira dos 1,3 milhão de pessoas, apesar de os números relacionados a este ano ainda não terem sido divulgados.

Em comunicado oficial, a Foxconn disse apenas estar colaborando com as autoridades para descobrir exatamente o que aconteceu. Além disso, se comprometeu a não poupar esforços para melhorar as condições de trabalho e atender às necessidades da mão-de-obra crescente em todas as suas unidades espalhadas pela China.

Fonte: Cult of Mac