Foco, agilidade e eficiência: a estratégia por trás da separação da HP

Por Rafael Romer | 03 de Junho de 2015 às 08h02
TUDO SOBRE

HP

De Las Vegas, Nevada

Com pouco mais de 75 anos de existência, a gigante norte-americana de tecnologia HP passa por um momento singular de sua história: no próximo dia 1º de novembro, a empresa finalmente oficializa sua separação em duas companhias. A primeira, HP Inc, ficará responsável pelos produtos mais próximos do consumidor final, como impressão e computação; já a Hewlett-Packard Enterprise focará nas soluções e ofertas corporativas da organização, como cloud, servidores, serviços, redes e software.

A divisão não é exatamente novidade dentro da empresa. Executivos da HP indicam que a separação entre consumer e enterprise já tem sido tocada extra-oficialmente há alguns meses dentro da companhia, que tem times focados em suas próprias unidades de negócios que muitas vezes não têm sequer razões para se comunicarem.

PECHINCHAS, CUPONS, COISAS GRÁTIS? Participe do nosso GRUPO DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Já entre 2010 e 2011, o então CEO da companhia, Léo Apotheker, foi o primeiro a falar sobre a possibilidade de organizar a atuação da HP em duas frentes independentes. Na ocasião, no entanto, a empresa passava por um período de reestruturação e recuperação, um momento pouco apropriado para um passo tão importante. Mas agora, com a chegada da atual CEO da empresa, Meg Whitman, a companhia retomou seus negócios e a ideia foi posta em prática.

A mensagem da separação é clara: mais foco, agilidade e eficiência para permitir à HP capacidade de atuar em sintonia com clientes e enfrentar novos desafios de TI. Meg cita como exemplo companhias como Airbnb, Uber e Vimeo como representantes de um novo modelo de TI integrado ao negócio, capaz de gerar disrupções em indústrias tradicionais em um curto espaço de tempo. Com a separação, a HP busca, agora, ter também maior capacidade de fornecer suas soluções e serviços para seus parceiros e clientes, que agora possuem cada vez mais necessidade de ou enfrentar ou criar seus próprios modelos disruptivos no mercado de tecnologia.

"Nós nos perguntamos como colocar a HP na melhor posição não só para sobreviver, mas para prosperar. Não só responder às mudanças do mercado, mas defini-las", indicou Whitman durante o principal evento global da companhia, o HP Discover 2015, que começou nesta terça-feira (02), em Las Vegas. "Nós seremos ainda mais inovadores e competitivos e esperamos ficar ainda mais conectados com nossos clientes".

HP Discover

Operações da Hewlett Packard Enterprise começam oficialmente em novembro, na virada do ano fiscal da HP (foto: Reprodução/HP-Facebook)

E em um mercado que passa globalmente por quedas em vendas de PCs, o foco principal da estratégia de separação da HP deve recair sobre a Hewlett-Packard Enterprise, a protagonista da fala da presidente durante sua apresentação. Whitman, inclusive, manterá sua posição de CEO da Hewlett-Packard Enterprise, enquanto ocupará o cargo de chairman dentro da HP Inc - que será comandada por Dion Weisler, atual vice-presidente do negócio de impressão e sistemas pessoais da HP.

A orientação da nova empresa já começa na própria adoção de um logo redesenhado, quase minimalista, para a divisão corporativa: apenas um retângulo verde-água, seguido pelo nome da companhia. "A simplicidade é simbólica, isto é o que a Hewlett-Packard Enterprise fará: se tornar mais simples para que parceiros e clientes façam negócios conosco. Ser precisos na engenharia e inovação", explicou Whitman. Até a escolha da cor verde-água é proposital: a ideia é passar a mensagem de oportunidade e sustentabilidade. "Nós queremos que a Hewlett-Packard Enterprise represente o legado rico da HP e o futuro no qual negócios e TI realmente sejam inseparáveis".

Internamente, a empresa também deverá se organizar ao redor de quatro áreas principais de transformação, que representam a expectativa da empresa sobre a direção para qual o mercado de tecnologia está caminhando: a transformação para infraestruturas híbridas, a proteção de ativos digitais, organização de companhias guiadas por dados e produtividade. Através da separação, a HP ambiciona estar no centro da integração entre software, hardware e tecnologia para entregar suas soluções para parceiros e alavancar transformações movidas por clientes.

"Nós estamos orgulhosos de toda inovação que entregamos, mas acreditamos que há coisas maiores à frente para a HP", afirmou a executiva. "Nosso ponto de partida é a economia de ideias e como isso está redefinindo a natureza da TI e dos negócios. São soluções que ajudam nossos clientes a passar para uma nova forma ne negócios através das quatro áreas de transformação".

* O repórter viajou à Las Vegas a convite da HP

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.