FedEx fará entregas com veículos e robôs autônomos

Por Redação | 04 de Fevereiro de 2017 às 15h10

A multinacional americana de entregas Fedex é a mais nova empresa a revelar detalhes sobre seus investimentos em automação para agilizar seus negócios. De acordo com Rob Carter, CIO da Fedex, a empresa tem considerado o uso de pequenos veículos e robôs que permitirão a entrega mais rápida de pacotes a clientes.

Carter, que é responsável pelas tecnologias dos múltiplos sistemas de entrega da Fedex nos 220 paises em que opera, afirma que a empresa tem olhado com atenção a evolução do mercado de robótica e inteligência artificial, e já investe em suas próprias iniciativas para evoluir a logistica da empresa.

Uma das ideias é que consumidores poderão, por exemplo, pedir um encomenda a partir de dispositivos como Google Home ou Amazon Echo, que seria automaticamente despachada para o usuário através de sistemas autônomos. A expectativa é que o sistema acabe com a necessidade de prenchimento de longos formulários de entrega, o que melhorará a experiência e fidelização do cliente. O modelo, no entanto, ainda está em fase "inicial de desenvolvimento".

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Na área de veículos e robôs autônomos, a Fedex já está trabalhando com a startup Peloton Technology, que está desenvolvendo uma espécie de "caravana" robótica de pequenos caminhões. Além de serem controlados por um sistema único, esses mini caminhões consomem menos combustível, já que andam um "no vácuo" do outro, diminuindo o atrito com o ar. Os caminhões devem ser lançados oficialmente pela Peloton ainda neste ano.

A Fedex fechou também uma parceria com a divisão de caminhões da Volvo, a Daimler, que já está realizando testes com caminhões autônomos em regiões como Nevada e na Alemanha. De acordo com o CIO da Fedex, a expectativa é de "implementações significativas" de veículos autônomos pela indústria de entregas já nos próximos dez anos.

Fonte: Technology Review

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.