iOS está repleto de inteligência artificial, afirmam executivos da Apple

Por Redação | 25 de Agosto de 2016 às 07h43

Em uma conversa exclusiva ao site Backchannel, executivos da Apple afirmaram que há muita inteligência artificial e machine learning “escondidos” no iOS, indo muito além do que podemos sentir de mais óbvio na assistente Siri. Foram entrevistados nomes como Eddy Cue, Craig Federighi, Phil Schiller, Tom Gruber e Alex Acero, que revelaram detalhes sobre como a Maçã está aplicando essas novas tecnologias para aprimorar seu sistema operacional móvel e demais produtos e serviços.

Por exemplo, em 2014, a Siri ganhou uma espécie de “cirurgia cerebral” virtual, quando passou a ser capaz de reconhecer uma maior quantidade de comandos de voz. O machine learning, por exemplo, pode ser notado quando a assistente sugere o uso de determinados aplicativos com base no comportamento e interesses do usuário, ou ainda quando o iPhone lembra o usuário de um compromisso do qual ele foi informado em uma mensagem de texto, mas que acabou esquecendo de marcar no calendário.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

IA no iOS

O reconhecimento facial da câmera nativa do iOS é possível graças a tecnologias como o machine learning e a inteligência artificial (Reprodução: Backchannel)

O machine learning também está presente em outras partes do sistema. Um exemplo é quando o aparelho identifica uma chamada de alguém que não está na lista de contatos do usuário, mas que já enviou um e-mail a ele e, portanto, ficou “marcado” pelo sistema. Outro produto da Maçã cuja funcionalidade depende do machine learning é a Apple Pencil, que é capaz de diferenciar diferentes movimentos realizados pelo usuário, cada qual com sua devida função. A companhia também usa essa tecnologia para detectar fraudes na Apple Store, além de a aplicar para administrar a vida da bateria entre as recargas. Por fim, é graças ao machine learning que a Apple pode saber se o usuário do Watch está se exercitando ou somente andando por aí.

IA no iOS

O Apple Watch é capaz de identificar se o usuário está sedentário demais e recomendar atividades físicas (Reprodução: Backchannel)

“O machine learning está nos permitindo dizer ‘sim’ para algumas coisas para as quais nos últimos anos nós teríamos dito ‘não’”, disse Schiller, que acredita que a tecnologia “está se tornando parte do processo de decidir em quais produtos trabalharemos na sequência”. Para o executivo, o machine learning está se tornando parte do dia a dia do usuário comum, sendo capaz de executar tarefas tão sutis que, ao se deparar com as sugestões e ações oferecidas, o usuário pode até pensar um “mas como é que isso é possível?”.

Apesar da adoção dessas tecnologias em seus produtos, os executivos não confirmaram que a companhia tenha uma equipe exclusivamente dedicada ao desenvolvimento delas para o iOS. O que se sabe é que a Maçã conta com “muitos” engenheiros trabalhando em IA e seus sub-campos. “Nós não temos uma única organização centralizada que seja o templo do machine learning na Apple”, disse Federighi. “Nós tentamos manter [as tecnologias] nas equipes que precisam aplicá-las para garantir a experiência do usuário”, completou.

Fonte: Backchannel

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.