Executivo diz que Google não tem planos de se tornar fabricante de automóveis

Por Redação | 16 de Setembro de 2015 às 15h56

Durante o Salão do Automóvel de Frankfurt, Philipp Justus, executivo do Google para Alemanha, Áustria e Suíça, colocou fim às especulações de que o Gigante das Buscas poderia fabricar carros. Segundo ele, "o Google não tem a intenção de se tornar um fabricante de automóveis", apesar de seu investimento pesado no desenvolvimento de carros autônomos.

Algumas ações do Google colocam em dúvida a veracidade das declarações de Justus. Recentemente, o Google nomeou o veterano da indústria automobilística John Krafcik, ex-CEO da Hyundai Motors na América, como executivo-chefe de seu projeto de carro de autocondução. Por outro lado, a afirmação de Justus de que o Google não investirá em fabricação de carros deixa outras possibilidades de negócios futuros em aberto.

Embora tenha realmente criado alguns protótipos para testar seu sistema de carros autônomos, o Google implementou sua tecnologia em uma frota de Lexus SUV, o que indica que a empresa pode estar investindo no desenvolvimento da tecnologia para equipar outras fabricantes. Justus também disse que o Google não está trabalhando para competir com a indústria automotiva, mas para tê-la como parceira. O Google realmente não tem a capacidade de produzir carros em massa para os consumidores finais, por isso, investe no desenvolvimento de alguns componentes para trabalhar com outras empresas da indústria de automóveis.

Isso não fecha as portas para o negócio de condução do Google, mas significa que, pelos menos por enquanto, a empresa não tem planos de produzir seus próprios carros. O objetivo do Google deve ser algo parecido ao que já faz com seus smartphones da linha Nexus, que já fornece tecnologia, software e varejo, deixando as fabricantes fornecerem o hardware. O Projeto Fi também utiliza o mesmo método de negócio, no qual o buscador oferece a tecnologia necessária para oferecer uma experiência sem fio rápida, enquanto as empresas de telecomunicações oferecem a infraestrutura. A experiência de Krafcik com o TrueCar, serviço de compras online de carros, seria totalmente utilizada neste cenário.

Dito isto, o Google pode estar ficando sem tempo para potenciais parceiros. Até agora, muitas das principais fabricantes de automóveis já estão trabalhando em sua própria tecnologia de autocondução e é improvável que joguem fora milhões de dólares em pesquisas e desenvolvimento para abraçar uma tecnologia desconhecida, mesmo oriunda do Google. Grandes montadoras alemãs como BMW, Mercedes-Benz e Audi já contrataram especialistas em software para o desenvolvimento de suas próprias tecnologias.

Visto que cada fabricante já conta com seu arsenal de desenvolvimento, não é lógico pensar que elas precisariam da parceria do Google em algum momento da fabricação dos automóveis. Sendo assim, as montadoras podem ver o Google mais como um rival do que um amigo em potencial.

Via SlashGear

Fonte: http://www.slashgear.com/european-exec-google-has-no-plans-to-be-a-car-maker-15404840/