Ex-funcionária diz que Google paga salários maiores para homens na mesma função

Por Redação | 05 de Janeiro de 2018 às 18h11
The Russian Times
Tudo sobre

Google

A polêmica com relação a supostas disparidades na remuneração de funcionários homens e mulheres da Google continua. Em dezembro, uma juíza dos Estados Unidos decidiu que tal denúncia era vaga, tendo sido feita por três ex-funcionárias da gigante. Mas, agora, uma outra ex-Google alega o mesmo, dizendo que a Google paga menos para mulheres, mesmo que elas sejam mais experientes.

Heidi Lamar, de 31 anos, registrou uma reclamação formal na justiça dizendo que ela e outras funcionárias que trabalharam na creche da Google têm salários menores do que dois de seus colegas do gênero masculino. Ao todo, a gigante empregou 147 mulheres e 3 homens como professores pré-escolares entre 2013 e 2017, para os filhos de seus funcionários.

Nesse período, Lamar diz que quase todas as mulheres ganharam menos dinheiro do que os homens do grupo, e ela mesma decidiu se demitir da Google por conta disso no ano passado. Em março, ela descobriu que um de seus colegas homens ganhava 13% a mais do que ela, ainda que Lamar tenha dois anos a mais de experiência na mesma função.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Agora, a professora está se unindo a outras ex-Google para abrir um novo processo judicial contra a companhia, acusando-a de discriminação baseada em gênero. Em resposta, uma porta-voz da Google, Gina Scigliano, disse que a empresa "trabalha pesado para criar um ótimo ambiente de trabalho para todos, e dar a todos a chance de prosperar". Ela explica, ainda, que "níveis empregatícios e promoções são determinadas seguindo rigorosos quesitos, e precisam passar por múltiplos níveis de avaliação".

Fonte: NY Post

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.