Equipe brasileira desenvolve plataforma para auxiliar no tratamento do autismo

Por Redação | 15 de Abril de 2016 às 21h00

No dia 2 de abril é comemorado o Dia de Conscientização Mundial do Autismo, e neste ano a data foi marcada por uma inovação tecnológica para profissionais da área. Uma equipe de Recife iniciou uma campanha de arrecadação de recursos para o desenvolvimento de uma plataforma que permite agilidade na mensuração de evolução dos casos atendidos.

A plataforma, chamada bHave, promete facilitar os registros e o monitoramento dos pacientes atendidos pela terapia ABA – Applied Behavioral Analysis, um dos principais métodos de tratamento ofertados no Brasil e que tem como objetivo melhorar a interação com o mundo de pessoas diagnosticadas com autismo, por meio da análise do comportamento.

Uma das principais dificuldades dos profissionais é o tempo gasto nos registros dos dados de cada sessão de atendimento, o que atualmente é feito manualmente. Pensando em otimizar a atuação dos profissionais, inclusive no que se refere ao feedback para os pais, a ideia do bHave foi concebida.

O sistema permitirá a organização das redes de trabalho, por meio da elaboração de dados em tempo real, gerando gráficos de desempenho. Além disso, os relatórios poderão ser armazenados e compartilhados entre os profissionais da equipe de atendimento, funcionando como uma espécie de rede social para a rede. Cauê Nascimento, um dos idealizadores do projeto explica: “Eles vão poder acessar seu perfil e ter acesso a todas as informações dos casos em que estão envolvidos bem como poderão planejar todo o tratamento e definir quais as atividades serão aplicadas. No dia da sessão, é só acessar o aplicativo pelo celular e, em vez de usar o papel, inserir suas anotações no aplicativo”.

Atualmente o autismo acomete cerca de 1% da população mundial. A campanha para o desenvolvimento do bHave terá duração de dois meses, e os colaboradores podem fazer doações a partir de R$ 20,00. Caso a meta seja alcançada, a expectativa dos desenvolvedores é de que em seis meses a plataforma esteja disponível.

Via: G1