Em um mês, Apple Music já conquistou mais de 11 milhões de usuários

Por Redação | 06.08.2015 às 11:16

Apesar das previsões pessimistas, o Apple Music está longe de ser o fracasso que muita gente imaginou. A empresa revelou que, um mês após o lançamento do seu serviço de streaming, mais de 11 milhões de usuários ativaram o período de testes oferecido pela companhia — mostrando que a novidade realmente despertou o interesse do público.

É claro que isso não quer dizer muita coisa, já que ainda estamos falando da assinatura gratuita oferecida pela Apple e é óbvio que muito desse pessoal não vai continuar utilizando o serviço quando ele se tornar efetivamente pago. Apesar disso, não há como negar o bom desempenho inicial, principalmente para um serviço que chega para competir com um concorrente tão bem estabelecido quanto o Spotify.

E muita gente não só confirmou que vai continuar assinando o Apple Music como já definiu que vai utilizar pacotes um pouco mais caros do que o básico de US$ 9,99. Em entrevista ao USA Today, Eddy Cue, que é vice-presidente sênior de software para internet e serviço da Apple, revelou que mais de dois milhões de usuários já optaram pelo pacote familiar de US$ 14,99, mostrando que o consumidor está realmente interessado naquilo que o serviço tem de único.

O executivo ainda disse que todos na Apple estão bem animados com esse desempenho inicial e com os números apresentados até agora. E não é para menos. Como o USA Today aponta, o Apple Music conseguiu, em apenas 30 dias, alcançar metade do número de assinantes que o Spotify obteve ao longo de toda uma década. São bases de comparação bem diferentes, mas que servem para que tenhamos uma vaga ideia da briga que se desenrola.

Bom desempenho também na App Store

Mas não é apenas com as músicas que a Apple tem o que comemorar. Além do serviço de streaming, a empresa revelou que a App Store quebrou um novo recorde em julho. Segundo ela, foram cerca de US$ 1,7 bilhões — cerca de R$ 5,96 bilhões na cotação atual — em transações dentro da loja apenas no último mês.

Eddy Cue destaca ainda que esse bom desempenho se deu mesmo com a situação econômica da China, que vem passando por uma crise que trouxe vários impactos em diversos setores. No entanto, parece que isso não chegou a ser um problema para companhia de Cupertino.

Via: USA Today