Em meio à crise, Uber perde valor de mercado e market share

Por Redação | 27 de Junho de 2017 às 09h56
photo_camera Divulgação
TUDO SOBRE

Uber

A crise e a alta competitividade do mercado de transportes e caronas pagas parecem estar diminuindo a força da Uber como soberana desse setor. Desde o início do ano, a companhia vem observando seu market share cair, enquanto rivais ganham cada vez mais espaço, em uma mudança que, segundo especialistas, já reduziu em mais de US$ 20 bilhões seu valor estimado.

De acordo com os números da TXN Solutions, que libera estimativas de vendas com base em operações de cartão de crédito, o market share da Uber caiu de 90%, há dois anos, para menos de 75% no primeiro trimestre de 2017. Enquanto isso, a Lyft, sua principal rival, cresceu para, justamente, ocupar uma parcela de 24,7% do mercado.

Nos dois últimos anos, o crescimento da competidora não cresceu na mesma medida que as perdas da Uber, mas no primeiro trimestre de 2017, para a consultoria, essa mudança é clara. Enquanto o serviço viu sua parcela saindo de 78,8% para 75,3%, a Lyft cresceu 3%, deixando a marca dos 21,2% para atingir 24,7%, no que seria uma demonstração clara de que os consumidores estão mudando de aplicativo na hora de pedirem uma corrida.

PECHINCHAS, CUPONS, COISAS GRÁTIS? Participe do nosso GRUPO DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

A redução, aqui, acompanha também uma queda no valor de mercado da empresa. Desde o começo do ano, a Uber já teria perdido mais de US$ 10 bilhões em sua avaliação, saindo dos US$ 60 bilhões originais para US$ 50 bilhões. Mais do que fruto da competitividade maior e de concorrentes que podem oferecer mais lucratividade no curto prazo, aqui aparecem também os reflexos da atual crise de gestão da companhia.

Operando sem executivos importantes, como diretores regionais e até mesmo CEO, após a saída de Travis Kalanick do cargo, a companhia vem lidando com escândalos relacionados a negações de um estupro ocorrido na Índia, com direito a vazamento dos dados médicos da vítima, processos trabalhistas ao redor do mundo e discussões de altos nomes com motoristas. Um relatório de uma empresa de advocacia externa recomendou mudanças nas práticas e estrutura interna da Uber, um processo que está em andamento.

A queda, entretanto, já vinha acontecendo há alguns períodos, por mais que tenha se intensificado em 2017. Ainda a maior startup do mundo, a Uber já chegou a valer US$ 70 bilhões, mas levantamentos recentes de capital e venda de cotas para investidores levaram ao valor atual dos US$ 50 milhões.

Apesar de os números poderem, no longo prazo, afastarem novos aportes financeiros, quem está nesse barco atualmente não demonstra preocupações. De acordo com os números mais recentes, a Uber teve perdas de US$ 708 milhões no primeiro trimestre deste ano, um total que vem regredindo a cada período na medida em que aumenta o número de corridas e o nível de expansão e investimento internacional.

Aqui, o potencial de crescimento é grande e, para especialistas de mercado, a Uber ainda tem muito o que crescer antes de começar a se preocupar com um declínio, mesmo que concorrentes estejam conquistando cada vez mais espaço. Isso sem falar em uma vindoura abertura de capital, algo sobre o que a companhia não comenta, mas que é sempre uma possibilidade no horizonte.

Há quem diga que o IPO da Uber estaria marcado para acontecer ainda neste ano, por mais que a companhia não fale muito sobre esse assunto. A vontade de Kalanick sempre foi atrasar esse processo o máximo possível, de forma que a empresa pudesse se preparar, mas agora que ele está fora do posto de CEO, pode haver mudança nesse posicionamento. E, para o mercado, uma abertura de capital pode ser a solução para conter a queda no valor de mercado, caso essa se torne uma constante.

Fontes: CNN, CNBC, USA Today

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.