Em carta aberta, funcionários pedem por retorno do CEO da Uber

Por Redação | 23 de Junho de 2017 às 09h19

A crise na Uber continua dando o que falar e, agora, temos uma reviravolta digna da novela que toda essa história se transformou. Depois de o CEO da companhia, Travis Kalanick, ter renunciado ao cargo por pressão de seu conselho administrativo, agora milhares de funcionários se reuniram para pedir o retorno de seu antigo chefe, como uma espécie de resposta à sua saída.

De acordo com o site Axios, cerca de 1.100 empregados da empresa assinaram uma carta aberta ao conselho administrativo pedindo o retorno de Kalanick. Isso corresponde a 10% de toda a força de trabalho da empresa. Vale notar, porém, que os motoristas não estão englobados nesses números, já que eles são considerados parceiros e não trabalhadores ligados à Uber. Nesse caso, estamos falando apenas daqueles que realmente têm algum vínculo com a companhia.

No documento, eles acusam os membros do conselho de terem forçado Kalanick a pedir sua saída por interesses próprios. Mesmo que ele não continue como CEO, os funcionários querem que o executivo ocupe algum cargo operacional ou mesmo administrativo para que continue participando do cotidiano da empresa. O que eles não querem é que o antigo líder ocupe apenas um posto simbólico como membro do conselho, o que o distanciaria demais da realidade da companhia que criou.

“Sim, Travis tem defeitos, como todos temos”, diz a carta em determinado trecho. “Mas sua paixão, visão e dedicação à Uber são simplesmente inalcançáveis. Não estaríamos aqui hoje sem ele, e acreditamos que ele pode evoluir para ser o líder de que precisamos. Ele é essencial para nosso sucesso futuro.”

Além disso, até mesmo alguns investidores da Uber se posicionaram a favor de Kalanick. Mood Rowghani, da Kleiner Caulfied & Byers, também destacou a paixão do antigo CEO e o quanto isso é capaz de motivar e inspirar seus funcionários — o que considera um dos grandes segredos das startups. Ele lembra ainda que grandes companhias que cortaram laços com seus fundados, como Apple e Twitter, acabaram se arrependendo da decisão.

Confira a carta dos funcionários na íntegra.

"Conselho de diretores —

Estou escrevendo a vocês hoje em antecipação à sua reunião agendada para compartilhar os pensamentos de mais de 1.100 empregados em tempo integral da Uber (e contando) que discordam veementemente da renúncia de Travis como CEO e da pressão colocada sobre ele por investidores e membros do conselho para que o fizesse.

Em menos de 12 horas, esses funcionários expressaram sua crença de que Travis deveria retornar à Uber em uma função operacional. A magnitude dessa resposta foi inesperada e não deve ser ignorada. O que começou como uma simples nota a meus colegas mais próximos se tornou uma petição abrangendo centenas de escritórios e equipes, e [que] ainda está para ser vista por uma maioria de empregados.

Sendo as pessoas que realmente trabalharam lado a lado com Travis por anos para ajudar a criar a Uber do nada, estamos extremamente desapontados pela miopia e puro interesse próprio demonstrado por aqueles que deveriam proteger os interesses de longo prazo da nossa companhia.

Sim, Travis tem defeitos, como todos temos. Mas sua paixão, visão e dedicação à Uber são simplesmente inalcançáveis. Não estaríamos aqui hoje sem ele, e acreditamos que ele pode evoluir para ser o líder de que precisamos. Ele é essencial para nosso sucesso futuro.

Aguardamos a sua resposta e ansiamos pela volta de Travis numa posição operacional."

Via: Axios

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.