Easy Taxi diz ser 'contra retrocesso da Mobilidade Urbana'

Por Redação | 05 de Abril de 2017 às 16h46

Na noite desta terça-feira (4) a Câmara dos Deputados aprovou o projeto de lei PL 5587/2-16 que regulamenta o exercício de companhias de transporte privado, como Uber e Cabify. Com a decisão, os motoristas de aplicativos deverão passar a atuar de forma semelhante aos taxistas.

Basicamente duas emendas marcam o que muitos estão chamando de retrocesso. A primeira prevê que a responsabilidade de proibir ou liberar o transporte de passageiros seja dos municípios. Com isso, cada veículo deverá passar por um processo de cadastro e autorização das prefeituras, rebendo a placa vermelha.

Já a segunda emenda define que os serviços prestados pelos apps deverão deixar de ser considerados privados, tornando-os uma espécie de serviço de natureza coletiva. Isso significa que para atuar nas cidades, os aplicativos também deverão obter uma autorização.

Diante de toda a polêmica, motoristas e passageiros protagonizaram uma série de manifestações por todo o Brasil pelo direito de escolha, mas não só: as empresas que trabalham oferecendo esse tipo de serviço também entrou na luta e estão se posicionando contra a votação.

Entre as companhias insatisfeitas com o resultado da votação está a Easy, que emitiu um comunicado hoje (5) declarando: "Somos contra o retrocesso da Mobilidade Urbana. Somos a favor da população e da inovação". A empresa mostrou, ainda, acreditar que no país há espaço tanto para os taxistas quanto para os motoristas particulares.

Confira o posicionamento da companhia na íntegra:

Abril 2017 - A Easy nasceu com a missão de melhorar a vida das pessoas por meio de inovação e tecnologia e com o desejo de participar ativamente nas cidades para se tornarem cada vez mais inteligentes e conectadas, unindo taxistas e motoristas privados em prol da mobilidade urbana, viabilizando, desta forma, um eficiente ecossistema de transporte em nossas cidades.

Como parte interessada em tudo que envolve o setor de transporte no Brasil e em todos os países onde atuamos, acompanhamos a votação da PL 5587/2016 que ocorreu na última terça-feira 04/04 em Brasília e mais uma vez reforçamos que somos a favor da inovação e de mercados justos e regulamentados que melhorem a vida dos cidadãos de hoje e de amanhã – que utilizam a tecnologia buscando mais agilidade e comodidade para o dia a dia.

A Easy é a favor da regulamentação justa, aquela que beneficia e compreende todas as partes, sempre de olho na qualidade de vida de toda a população.

A Easy, portanto é contra o texto aprovado ontem na Câmara dos Deputados (04/04/2017) que transforma o transporte privado em transporte público, inibindo a livre iniciativa e dificultando a geração de empregos no país. O texto aprovado, além de descaracterizar o transporte privado, amplamente aceito pela população brasileira, traz para o setor inúmeras ineficiências (contra as quais a Easy luta amplamente) existentes atualmente no setor de táxi. A caracterização de transporte público irá burocratizar o credenciamento de novos motoristas; não garante a qualidade do serviço prestado; e irá limitar a competitividade entre os sistemas, tão benéfica para a redução de preços aos passageiros.

Hoje, através do aplicativo Easy, possibilitamos não apenas agilidade e comodidade, mas também preços acessíveis e segurança a nossos passageiros. Ao longo de 6 anos de história, conseguimos nos posicionar como um marketplace que gera renda a mais de 140 mil motoristas brasileiros, entre eles, taxistas e motoristas de carros privados. Em um momento de crise econômica, ainda infelizmente vivida no país, nós nos tornamos uma opção de renda àqueles sem recolocação profissional.

Nós entendemos que sim, há espaço para os carros privados e táxis. Entendemos que desta forma, unindo dois tão relevantes serviços, o usuário consegue usufruir do serviço desejado na hora em que lhe for mais conveniente, o que traz passageiros tanto para taxistas quanto para motoristas privados.
Em julho de 2016 lançamos na cidade de São Paulo o “EasyGo” - serviço de carros privados da Easy - e felizmente já conseguimos expandir para o Rio de Janeiro e Porto Alegre. Essas mudanças foram extremamente significativas, favorecendo motoristas, taxistas e passageiros. Empoderamos nossos clientes com a escolha do serviço, oferecendo as opções mais convenientes em seu momento de escolha e, com isso, conseguimos gerar mais demanda e mais renda para ambos, taxistas e motoristas.

Conforme a plataforma se expande e aumenta a oferta de serviços é possível tornar ainda mais acessíveis os meios de transporte propostos, e possibilitar aos cidadãos que até então não tinham acesso, uma interligação eficaz com transportes públicos, melhorando assim as condições das milhares de pessoas que utilizam diariamente variados meios de transporte para trabalhar, para lazer e viajar.

Infelizmente constatamos que alguns deputados não enxergam o mercado com os mesmos olhos e querem acabar com esta conquista, prejudicando toda a população. Desta forma, a Easy acredita na continuidade do debate, agora no Senado Federal, e participará dessa nova etapa a fim de mostrar a todo nosso país, a nossos senadores e à nossa comunidade, que existe a possibilidade de convivência harmoniosa entre taxistas e motoristas privados.

Não tirem o poder de escolha da população.

A Easy

O destino dos aplicativos ainda não é certo. A partir de agora a aprovação deve seguir para o Senado e, posteriormente, sancionado pelo presidente Michel Temer.