Descoberto medicamento que previne a Diabetes tipo 1 em ratos

Por Redação | 20 de Setembro de 2015 às 12h55
photo_camera Flickr/Heather Aitken

Uma nova pílula conseguiu prevenir a ocorrência de Diabetes tipo 1 em ratos, bloqueando o surgimento de um ácido específico no pâncreas e impedindo a progressão da doença. A pesquisa foi publicada no Journal of Clinical Investigation e a novidade poderá eliminar a necessidade das injeções de insulina, se o medicamento também funcionar em humanos.

O Diabetes tipo 1 é uma doença autoimune que destrói as células beta do pâncreas, que são as responsáveis pela produção de insulina. Também conhecida como "diabetes juvenil", a doença costuma ser diagnosticada na infância ou na juventude e, uma vez detectada, o paciente depende de insulinoterapia por toda a vida.

Dr. Paul Bollyky, professor de Infectologia da Universidade de Stanford (Estados Unidos), está animado com o sucesso do novo medicamento, em roedores. "Em vez de injetar insulina para o resto de suas vidas, os portadores de Diabetes tipo 1 precisarão apenas tomar pílulas para que a doença não se manifeste", disse.

Os pesquisadores focaram em tentar descobrir o que acontece no pâncreas antes do órgão parar de produzir insulina, o que é bastante difícil, uma vez que os tecidos pancreáticos só podem ser estudados após a morte da pessoa. Ou seja, a análise do órgão só costuma ser feita meses ou anos depois da doença já ter se desenvolvido. Para contornar a situação, os pesquisadores usaram amostras de pâncreas de vítimas da doença recém-falecidas, que doaram seus órgãos para a Juvenile Diabeter Research Foundation.

Analisando os tecidos de diferentes indivíduos, os pesquisadores descobriram uma grande incidência de ácido hialurônico, comumente encontrado em áreas inflamadas no nosso organismo. Esse ácido mata as células beta do pâncreas, reduzindo aos poucos a produção de insulina até que a mesma não aconteça mais naturalmente.

Pensando nisso, os cientistas de Stanford utilizaram em ratos infectados com a doença uma droga chamada "Hymecromone", que serve para tratar cálculos biliares, mas é capaz de bloquear a produção do ácido. Os roedores apresentaram uma melhora no quadro, voltando a produzir células de defesa e retomando a resposta imunológica do organismo.

Bollyky afirma que o sucesso na aplicação da droga em ratos tornará possível a realização de testes em humanos, o que deve acontecer em breve, ou o mais breve possível, assim que o FDA - órgão que regula a liberação de substâncias nos Estados Unidos - aprovar o uso da droga.

Fonte: The Verge