Deezer adia planos de abertura de capital

Por Redação | 28.10.2015 às 12:14

O Deezer anunciou nesta quarta-feira (28) que estaria adiando seus planos de abertura de capital, marcados para ainda nesta semana, devido a “condições de mercado” que não foram especificadas. A empresa agora busca novas opções de levantamento de fundos e vai se reorganizar para que mais adiante possa tentar a sorte na Bolsa de Valores.

Os planos originais continham a abertura de 8,2 milhões de cotas do Deezer, papeis que somam um valor total de US$ 343 milhões. A abertura de capital era uma das estratégias de crescimento a curto prazo da companhia, que com ações avaliadas entre € 36 e €49 levaria o valor estimado da companhia a ultrapassar a marca do US$ 1 bilhão. O movimento aconteceria no mercado de Paris, na França, onde fica a sede do serviço.

Como sempre acontece no noticiário econômico, muito já se especula sobre os motivos que levaram ao cancelamento repentino da oferta pública. Para alguns analistas, trata-se de uma empolgação abaixo do esperado por parte dos possíveis acionistas, já que uma venda preliminar de papeis se encerrou na última terça-feira (27). O movimento servia como um termômetro para o Deezer, mas tudo indica que a empolgação de possíveis investidores não foi do tamanho que a empresa esperava.

As perdas financeiras no último trimestre para boa parte do mercado de streaming podem ser um fator nesse sentido. Entre abril e junho de 2015, a corporação apresentou prejuízo de US$ 31 milhões. O número é bem menor que o resultado negativo obtido pelo Pandora – quase US$ 86 milhões –, mas é visto como compatível levando-se em conta o modelo de negócios do Deezer, que trabalha não apenas com assinaturas, mas também parcerias com operadoras e outras empresas, que acabam repassando apenas uma parcela dos valores para a operadora de streaming.

A concorrência com outros grandes nomes – principalmente o badalado Apple Music e o Spotify e suas opções gratuitas – também não ajudam. O Deezer é bastante reconhecido na Europa e possui hoje 6,3 milhões de usuários, mas ainda tenta se tornar uma presença constante deste lado do mundo. Talvez esse seja um bom caminho para conseguir a confiança necessária para um futuro IPO.

Fonte: The Wall Street Journal