Crise na Uber continua: agora pode ser que Arianna Huffington saia do barco

Por Redação | 16 de Agosto de 2017 às 15h05

Depois de a Benchmark Capital, uma das maiores investidoras da Uber, abrir um processo contra Travis Kalanick alegando que o ex-CEO agiu de maneira fraudulenta para continuar influenciando o conselho da companhia, agora a empresa está tentando remover Arianna Huffington do mesmo conselho do qual faz parte.

De acordo com outro investidor, Shervin Pishevar, a Benchmak estaria mirando suas armas em Huffington pelo fato de a executiva ser uma amiga próxima do ex-CEO, agora visto como inimigo por parte do conselho da Uber. Isso porque ele foi responsabilizado por toda a crise corporativa da empresa, que vem enfrentando acusações de assédio sexual e roubo de dados confidenciais nos últimos meses.

Arianna chegou a declarar seu apoio a Kalanick mesmo após os escândalos, e ela também está envolvida no processo que a Waymo abriu contra a Uber, tendo chegado a dizer que acreditava em Travis enquanto líder antes de ele ter sido removido do cargo de CEO. Pishevar faz parte do grupo de investidores que está tentando remover a Benchmark do conselho da Uber a fim de reduzir a cota de ações que a empresa possui e também encerrando o processo aberto contra Kalanick.

Além dessa nova guerra entre investidores da companhia, a Uber também perdeu vários de seus executivos e funcionários que ocupavam cargos de alta relevância nos últimos meses. O seguinte diagrama mostra exatamente quem saiu e quem ainda se mantém como parte da empresa, além de duas contratações feitas recentemente:

Entra e sai na Uber, mas Travis Kalanick e Ryan Graves permanecem no conselho de diretores (Reprodução: Mashable)

Fonte: Recode, Mashable