Contas russas falsas compraram US$ 100 mil em anúncios no Facebook

Por Stephanie Kohn | 07 de Setembro de 2017 às 12h37

O Facebook afirmou ter descoberto que centenas de perfis e páginas falsas, ligadas a uma empresa russa chamada Internet Research Agency, compraram US$ 100 mil em anúncios políticos durante a campanha eleitoral americana de 2016.

De acordo com a publicação de Alex Stamos, diretor de segurança da rede, a maioria dos 3 mil anúncios veiculados não fazia referências a candidatos específicos, mas se concentrava em temas sociais polêmicos como racismo, homofobia, imigração e controle de armas.

Os anúncios, que ocorreram entre junho de 2015 a maio de 2017, foram vinculados a cerca de 470 perfis e páginas falsas que, segundo o Facebook, já foram encerradas.

A empresa russa que pagou pelas publicidades é pro-Kremlin e conhecida por usar contas falsas para publicar em redes sociais e fazer comentários em notícias.

O Congresso norte-americano e o FBI investigam a interferência russa nas eleições e a possível ligação de integrantes da equipe de campanha de Donald Trump na mediação destas ações.

Em julho, o New York Times revelou que o filho do presidente se reuniu, em junho de 2016, com Natalia Veselnitskaya, advogada ligada ao Kremlin. O genro e assessor de Trump, assim como o homem à frente de sua campanha, também participaram do encontro.

A reunião foi intermediada pelo cantor pop russo Emin Agalarov, filho de um amigo próximo de Trump e parte da família Agalarov, importante patrocinadora do Miss Universo, uma marca das organizações do presidente norte-americano.

Na ocasião, Trump Jr. confirmou o encontro, mas mudou a versão sobre o conteúdo da reunião em menos de 24 horas.

Fonte: New York Times