Como a China pode virar referência no mercado de carros autônomos

Por Redação | 05.04.2016 às 12:52

Apesar de Google, Apple e várias outras empresas americanas estarem investindo pesado na criação de carros autônomos, é bem possível que a os primeiros veículos desse tipo apareçam primeiro em um lugar bem longe dos Estados Unidos. A China vem investindo pesado na tecnologia e ela vem tendo avanços significativos nesse sentido que podem transformar o país no grande pioneiro nesta tecnologia.

E parte disso é culpa dos próprios EUA. As empresas americanas transformaram a China em um enorme centro fabril e era óbvio que não ia demorar para que o mercado chinês começasse a absorver muito desse conhecimento e das próprias práticas e estratégias das grandes companhias da América. Tanto que, há alguns poucos anos, os produtos chineses eram apenas réplicas daquilo que o mercado ocidental fazia, mas hoje já há grandes marcas vindo de lá e com preços e modelos bem competitivos.

Muito desse crescimento vem do próprio incentivo que o governo local vem dando às companhias e startups surgidas recentemente ou focadas em tecnologia. É aí que entram os carros autônomos, sobretudo com o Baidu. A empresa é uma gigante e conhecida mundialmente — por motivos questionáveis, mas não deixa de ser conhecida — e vem apostando alto nos veículos sem motoristas. E, enquanto Google e Apple precisam convencer as pessoas e o próprio governo de que essa ideia é mesmo o futuro, a China parece muito mais aberta a essa possibilidade.

Baidu

O resultado disso é que o avanço nas pesquisas e nos testes é muito maior no país asiático. Tanto que a Baidu, com o apoio de seu governo, vai colocar nas ruas alguns ônibus que seguem o trajeto sem depender de um motorista. Ironicamente, a tecnologia das empresas americanas vem sendo muito questionada, sobretudo após um desses carros da Google ter sido atingido por um ônibus recentemente.

Outro fator importante é a própria cultura chinesa relacionada ao trânsito. Lembre-se de que estamos falado do país mais populoso do mundo, então não é difícil imaginar o caos que é dirigir por lá. Assim, muitos chineses são muito mais abertos à ideia de ter um carro que faz todo o serviço de direção do que se arriscar nessa bagunça toda. Parece piada ou exagero, mas é um ponto que vem impulsionando a criação de veículos autônomos por lá.

E é aí que a coisa começa a ficar interessante para nós, brasileiros. Além de termos um caos bem parecido com o cenário chinês, a nossa realidade é muito mais próxima da China do que dos Estados Unidos. Basta olhar as demonstrações da Google sobre seu carro autônomo para perceber que nós não temos estradas tão bem conservadas quanto lá e isso faz toda a diferença.

Como as rodovias brasileiras (e também os trechos urbanos) são mais parecidas com as chinesas, é possível que os avanços do mercado asiático em relação à tecnologia de direção se reverta em algo positivo para nós. Assim, antes de xingar a Baidu pelo que ela instalou em seu PC, pense que ela pode ser a responsável por levá-lo para o trabalho daqui a alguns anos.