Com aquisição de Aruba, HP se prepara para briga com Cisco por mercado WLAN

Por Rafael Romer | 03.06.2015 às 15:55

De Las Vegas, EUA*

Na semana passada, a HP confirmou a finalização do processo de aquisição da companhia de tecnologia de redes wireless Aruba Networks, anunciada pela primeira vez em março deste ano. No valor de US$ 3 bilhões, a aquisição foi a maior da HP desde a desastrosa compra da companhia de analise de dados Autonomy, em 2011, e a primeira a ser realizada após o anúncio de que a companhia se dividirá entre duas empresas diferentes.

Diferente da Autonomy, no entanto, a aquisição da Aruba Networks já mostra estar bem alinhada com a estratégia da HP, que ambiciona ganhar espaço em um mercado ainda pouco explorado pela organização, o de redes sem fio.

Puxado pela adoção cada vez maior de dispositivos móveis e conectados. como smartphones, tablets e notebooks, o mercado de WLAN tem hoje um potencial enorme de exploração global, mas nunca se tornou uma realidade para a HP.

A companhia amarga atualmente pouco menos de 5% do marketshare global de WLAN, muito atrás da líder da mercado Cisco, que possui sozinha cerca de 48% do mercado global, de acordo com dados da consultoria IDC do terceiro trimestre de 2014. Com a aquisição, no entanto, a HP passa a integrar também outros 11,5% de marketshare global da Aruba Networks para seu portifólio.

Operacionalmente, a decisão da HP foi pela fusão de sua divisão de negócios de redes com a Aruba Networks, em um grupo que será liderado pelos atuais CEOs da empresa adquirida, Dominic Orr, e pelo o CTO e fundador da companhia, Keerti Melkote. Com a fusão, a expectativa é que ambas companhias unam suas respectivas forças — a Aruba com uma grande força de vendas e a HP com a capilaridade de canais parceiros em algumas regiões.

"A indústria está em um ponto de transição do cabeado para o wireless, é uma transição grande e se nós não estivermos lá no mercado, vamos perder", explicou Keerti Melkote em entrevista ao Canaltech. "Com a HP, nós vamos estar em todos os mercados".

A ideia é que essa sinergia se aplique ainda aos negócios das duas empresas, que também se complementam geograficamente. Hoje, a força principal da Aruba está no mercado Norte-Americano, enquanto a HP tem sua maior presença entre Europa e Asia. Na briga pela HP para ganhar espaço no mercado de WLAN, isso resulta em um marketshare complementar com a Aruba de aproximadamente 20% do mercado global — uma presença suficientemente grande para provocar uma "briga justa" com a principal concorrente, de acordo com Melkote.

E a estratégia é clara: após a fusão, a HP deverá focar em dois mercados específicos para o avanço de suas novas soluções de WLAN. O primeiro, batendo de frente com a Cisco, na busca por grandes contas globais. O segundo, no setor de pequenas e médias empresas, no qual a Aruba já tem presença forte.

"Nós basicamente iremos atrás de contas globais, muitas das quais são contas da Cisco. É muito difícil encontrar contas que não possuem nenhum tipo de Wi-Fi ou redes hoje em dia. E em nível global, é mais provável que esssas contas [que a HP busca] estejam com a Cisco", afirmou o CTO. "A outra área [de crescimento] é no setor de PMEs, que será através de canais. Por exemplo, na América Latina, que ainda está intocada por nós, nós vamos crescer através dos canais da HP que já são fortes".

*O repórter viajou para Las Vegas a convite da HP