No Twitter, Motorola acusa Samsung de ter copiado o recurso 'Moto Tela'

Por Redação | 19 de Agosto de 2016 às 09h34

Um dos principais recursos anunciados para o recém-lançado Galaxy Note7 é o Always On Display, uma funcionalidade que estreou na linha da Samsung com os Galaxy S7 e S7 Edge, mas que, de acordo com muitos, foi aperfeiçoada no novo Note. Embora muita gente tenha gostado de como a tecnologia foi empregada nos carros-chefes da sul-coreana, a Motorola não parece estar gostando da fama que a Samsung ganhou com o recurso.

Essa conclusão parte de um tweet publicado pelo perfil oficial da Motorola nos EUA, que ironiza a seguinte frase: "Em qual galáxia é aceitável roubar os recursos legais de um concorrente? #ODisplayAlwaysOnOriginal #DroidMotoZ". Publicada originalmente em inglês, a frase tem na palavra "galaxy" uma referência direta à linha de smartphones da Samsung, o que deixa bastante clara a funcionalidade sobre a qual a Motorola está falando na sua publicação.

Always On Display, Moto Tela

Ladrão que rouba ladrão tem cem anos de perdão? (Foto: Twitter/Motorola)

Caso você ainda não conheça, a função Always On Display é um nome mais amplo para o que a Motorola chama de "Moto Tela" nos seus smartphones. Aparecendo pela primeira vez no Moto X de primeira geração, em 2013, o Moto Tela usa de uma característica das telas AMOLED para exibir informações na tela do smartphone enquanto ela está desligada, acendendo apenas o mínimo de pixels necessários para isso.

Pouco tempo depois, outras fabricantes decidiram adotar a tecnologia e incrementar os conteúdos exibidos com a tela desligada: empresas como a Samsung e a LG, que sequer usam displays AMOLED em seus smartphones, também passaram a oferecer o recurso e personalizá-lo de diferentes formas. Com a discussão gerada pela publicação da Motorola, muitos usuários do Twitter têm alegado que a companhia não pode reivindicar autoria de algo que ela não criou, já que um recurso muito semelhante existia no Nokia N8, um smartphone lançado há seis anos.

Always On Display, Moto Tela

Na imagem, é possível ver um Nokia N8, à direita, utilizando a função que só ganhou o nome "Nokia Glance" com os modelos Lumia em 2012. (Foto: Reprodução/NokiaUser)

Se pensarmos em como toda essa questão é discutível, nenhuma das empresas acima é, de fato, dona de alguma coisa. A maioria dos recursos que vemos nos principais smartphones da atualidade vieram de seus concorrentes ou foram simplesmente "importadas" de outros gadgets: o leitor biométrico que começou a fazer sucesso no iPhone 5S, em 2013, surgiu primeiro no Motorola Atrix, dois anos antes; já o scanner de íris visto no próprio Galaxy Note7, por exemplo, ficou conhecido pela primeira vez com o Fujitsu NX F-04G, um dispositivo lançado em 2015, antes do Lumia 950, mas que ficou restrito ao mercado japonês.

De fato, todo esse debate nos faz questionar se é realmente justo uma companhia tomar para si a autoria de um recurso presente nos seus smartphones. Se pensarmos no quanto a competição é importante para um mercado tão dinâmico e ágil quanto o dos smartphones e dos eletrônicos em geral, seria extremamente maléfico para nós consumidores ter uma só fabricante que oferecesse determinada tecnologia ou função. Mas e você, o que acha do posicionamento da Motorola perante o caso? Não se esqueça de expor suas opiniões sobre o assunto utilizando o campo para comentários logo abaixo!

Fonte: Ubergizmo

Siga o Canaltech no Twitter!

Não perca nenhuma novidade do mundo da tecnologia.