Cientista brasileira cria novo método para detectar câncer

Por Redação | 09.04.2015 às 18:22
photo_camera Reprodução/Shutter

Priscila Kosaka, 35, é doutora em Química pela USP e membro do Instituto de Microeletrônica de Madrid. A cientista brasileira pode ter sido responsável por um grande avanço no combate a uma das doenças que mais mata no mundo todo: o câncer.

A pesquisadora desenvolveu uma técnica capaz de detectar a doença em seus estágios mais iniciais, antes mesmo do aparecimento dos sintomas. Para isso, Kosaka criou um nanosensor cujas capacidades de diagnóstico são 10 milhões de vezes superiores às dos exames padrão (que utilizam amostras de sangue dos pacientes para conseguir detectar a doença).

O nanosensor da brasileira, por sua vez, identifica o biomarcador do câncer. Dessa forma, ao ser usado em uma amostra de sangue de um paciente afetado, o sensor capta a proteína biomarcadora e torna visível o problema ainda bem cedo.

Para o próximo estágio da pesquisa, a cientista pretende desenvolver o nanosensor a ponto de ele ser capaz de identificar qual tipo de câncer afeta o paciente (de pulmão, mama, etc.), o que dispensaria outros exames e biópsias caros e/ou complicados. De acordo com a brasileira, o método é bastante seguro e confiável: a chance de erro é de apenas 2 a cada 10 mil casos.

A expectatuva de Kosaka é que sua criação comece a ser usada daqui a aproximadamente uma década. Até lá, a pesquisadora espera poder desenvolver o nanosensor a ponto de torná-lo capaz de identificar outras enfermidades, como o Mal de Alzheimer e as hepatites.

O Câncer

Câncer é o nome dado a um conjunto de mais de 100 doenças que têm em comum o crescimento desordenado de células, que invadem tecidos e órgãos. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), a doença é responsável por 8 milhões de mortes todos os anos, e atinge novas 14 milhões de vítimas anualmente também, sendo responsável por quase 15% de todas as mortes no mundo.

Via IDGNow.